Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo e Renamo criam comando para acabar a guerra em Moçambique

O Governo e a Renamo anunciaram a criação, esta segunda (31), em Maputo, de um comando central composto por 70 observadores nacionais e 23 internacionais para pôr fim a guerra em Moçambique, que desde Julho de 2013 envolve as Forças de Defesa e Segurança e guerrilheiros do maior partido da oposição no país.

O órgão, composto por 35 membros são do governo e igual número da Renamo, será liderado por um brigadeiro proveniente do Botswana e coadjuvado por representantes da Itália e do Zimbabwe. Foram igualmente criadas várias subunidades nas províncias de Inhambane, Sofala, Tete e Nampula, as quais poderão trabalhar noutras áreas de interesse previstas nos termos de referência.

O chefe da delegação da Renamo, Saimone Macuiane, disse que o seu partido pretende que os soldados da Perdiz sejam integrados no Serviço de Informações e Segurança do Estado (SISE), na Polícia da República de Moçambique (PRM) e nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM).

Saimone Macuiane espera igualmente que haja, acima de tudo, dignidade e confiança entre o Executivo e a Renamo. José Pacheco, chefe da delegação do Governo, considerou que até a próxima sessão do diálogo a questão dos termos de referência sobre os observadores internacionais está ultrapassada. As partes voltaram a reunir-se em sessão do diálogo na próxima quarta-feira.

CONFIRA OS INCIDENTES ARMADOS QUE TEMOS REGISTADO DESDE O INÍCIO DA GUERRA

{jumi [*35]}

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!