Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo e Renamo continuam a dialogar em sentidos opostos

Enquanto os ataques não cessam na região centro de Moçambique e o líder da Renano, Afonso Dhlakama, ameaça dividir o país a partir da região onde comanda os incursões militares, sobretudo no troço Muxúnguè/Rio Save, o Governo e a Renamo continuam sem consenso em relação à reorganização do exército, do mais baixo ao mais alto escalão, e à desmilitarização do antigo movimento rebelde.

Ao contrário do que era habitual no fim de cada sessão, nesta segunda-feira (09), no término da 61ª ronda do diálogo político, a Perdiz evitou o contacto com a Imprensa e ausentou-se do Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano (CICJC) sem dar o briefing.

Entretanto, Gabriel Muthisse, que substitui José Pacheco na mesa do diálogo com a Renamo, disse que este partido recusa ser desmilitarizada porque pretende continuar a protagonizar ataques em Gorongosa, na província de Sofala.

O partido liderado por Dhlakama exige que o Governo retire as Forças de Defesa e Segurança (FDS) posicionados naquele ponto do país com vista a permitir a saída do seu líder das matas. A seguir a esse passo todos os instrumentos bélicos serão entregues a uma instituição supostamente credível de modo a cessar as hostilidades no país. De acordo com Gabriel Muthisse, o Executivo não pode confiar na Renamo porque ela já disse várias coisas que no fim não cumpriu e enveredou pela via armada, optando, neste momento, por perpetrar ataques contra alvos militares e civis.

A insistência da Perdiz na reorganização das FDS e na retirada das Forças Armadas de Gorongosa sem que seja desmilitarizada, pode ser o ponto que mais discórdia pode gerar entre as partes, reconheceu Muthisse, para quem a recorrência da Renamo aos ataques é uma demonstração cabal de que ela não cumpre com as suas próprias palavras e as hostilidades continuam mesmo depois de os membros da Renamo terem sido incorporados nos órgãos eleitorais, incluindo no Secretariado Técnico de Administração Eleitoral.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!