Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

França sofre com greve de transportes e anúncio de manifestação da polícia

Greves de ferroviários e portuários cortaram pela metade os serviços de comboios e provocaram o cancelamento do tráfego embarcações para a Grã-Bretanha nesta quarta-feira, no momento em que sindicatos de trabalhadores procuram forçar o governo do presidente francês, François Hollande, a desistir de uma reforma nas leis trabalhistas.

Depois de semanas de protestos nos quais centenas de pessoas ficaram feridas, a polícia planeou a sua própria manifestação para dar vazão à frustração com o fardo resultante dos confrontos quase diários com grupos de jovens violentos sem relação com o movimento contra a reforma.

A greve dos ferroviários desta quarta-feira, marcada para durar até a manhã de sexta-feira, reduziu os serviços de trens de alta velocidade e municipais entre 40 e 50 por cento, afectando também grande parte das linhas suburbanas, informou a empresa ferroviária estatal SNCF.

A companhia de balsas Brittany Ferries anunciou cancelamentos em massa de travessias de conexão entre a Grã-Bretanha e o norte da França, onde funcionários dos portos também cruzaram os braços.

Camionistas mantiveram os bloqueios de estradas montados na terça-feira na tentativa de impedir entregas para um grande centro de distribuição de um supermercado e um depósito de combustível.

A reforma trabalhista, que é uma das apostas do governo Hollande a um ano da eleição presidencial, pretende tornar as contratações e demissões mais simples e descartar regras nacionais para permitir que as empresas adoptem regras próprias para o pagamento de salários. O governo diz que a alteração vai incentivar as companhias a recrutarem e combater um desemprego que vem se mantendo acima de 10 por cento.

Hollande, do Partido Socialista, afirmou que não irá cogitar uma reeleição se não conseguir reverter pelo menos parte do desemprego, mas críticos dizem que a reforma irá minar totalmente os padrões de protecção presentes há décadas na legislação trabalhista.

O plano, que três de cada quatro pessoas rejeitam, segundo pesquisas de opinião, desencadeou semanas de protestos muitas vezes violentos e aumentou o stresse da polícia, já sobrecarregada pelas tarefas de segurança adicionais do estado de emergência decretado após os ataques islâmicos em Paris em Novembro.

Repudiando o que descreveu como um “ódio anti-polícia” crescente, o sindicato de policiais Alliance convocou uma manifestação para o meio dia desta quarta-feira na Place de la République, em Paris.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!