Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Fraca qualidade dos serviços de saúde na Matola

O Movimento Contra a Tuberculose, uma organização sediada na cidade da Matola, diz que a qualidade dos serviços de saúde naquela urbe continua longe de responder com celeridade às preocupações das comunidades devido à falta de pessoal qualificado e articulação deficiente entre os serviços laboratoriais e os programas ligados à prevenção e monitoria da tuberculose.

Segundo o director daquele movimento, Eugénio Juliasse, durante a prestação dos serviços, verificam-se diversos problemas tais como a ausência da prática de prestação de contas aos utentes das unidades sanitárias por parte do provedor, fraca rede de laboratórios para o diagnóstico da doença, equipamento ineficiente e, por vezes, sobrecarregado, dado que o mesmo é usado para várias patologias.

Entretanto, aliado a estes problemas está também a questão do fraco raio de cobertura dos serviços, o que acaba por congestionar os hospitais e a demora na construção da unidade sanitária de Nkobe, o que iria reduzir a pressão exercida sobre o centro de saúde da Machava II.

Apesar destes constrangimentos, Eugénio Juliasse acredita que os problemas ora constatados irão fazer com que o sector da saúde adopte políticas capazes de inverter o actual cenário. Tais políticas deverão incluir a formação e o enquadramento de activistas.

Por seu turno, o director da unidade de gestão do Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil, João Pereira, considera que esta iniciativa irá contribuir para uma monitoria coerente da qualidade dos serviços de saúde, para além de obrigar o Governo a apostar cada vez mais no aumento do orçamento destinado à Saúde e outras áreas prioritárias.

Já o director nacional de Saúde, Mouzinho Saíde, afirmou na ocasião que iniciativas do género ajudam na melhoria da qualidade de prestação dos serviços de saúde prestados aos utentes.

Em relação à insuficiência de material clínico, Mouzinho Saíde disse que a mesma deve aos problemas de ordem financeira mas que esforços estão a ser envidados pelo Ministério da Saúde e que os mesmos já estão a ser resolvidos, embora de forma gradual.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!