Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Forças sírias atacam refúgio de soldados desertores

Forças sírias apoiadas por tanques e helicópteros atacaram esta terça-feira a cidade de Rastan, no centro do país, reduto de soldados desertores que pegaram em armas para tentar derrubar o presidente Bashar al Assad, segundo moradores. Dezenas de veículos blindados entraram na cidade de cerca de 40 mil habitantes, que fica junto à rodovia que dá acesso à Turquia, perto da cidade de Homs.

Durante a madrugada, a cidade já havia recebido rajadas de metralhadoras disparadas a partir de tanques e helicópteros. “Os tanques aproximaram-se de Rastan durante a noite, e o som das metralhadoras e explosões tem sido incessante. Eles finalmente entraram hoje de manhã”, disse o morador Abu Qassem.

Centenas de soldados que rejeitaram ordens para disparar contra manifestantes formaram em Rastan o Batalhão Khaled Bin al Walid, assim chamado em homenagem ao conquistador árabe da síria. O coronel Riad al Assad, mais graduado desertor, está ativo nessa região.

Os soldados rebeldes já atacaram autocarros militares e barreiras rodoviárias controladas por soldados e milicianos pró-Assad. A região da cidade de Homs e a vizinha província de Idlib, na fronteira da Turquia, tornaram-se focos de resistência armada ao governo, embora a maior parte dos militares, comandados por oficiais ligados à seita alauíta, a mesma de Assad, continue leal ao presidente.

A ONU diz que mais de 2.700 sírios já foram mortos na repressão aos protestos desde março, inclusive cem crianças. O governo diz que a violência é cometida por gangues armadas patrocinadas por potências estrangeiras, e que 700 soldados e policiais já foram mortos. A resistência armada dos soldados amotinados desagrada muitos manifestantes que esperavam manter o caráter pacífico do movimento, na crença de que isso esvaziaria as justificativas do governo para a repressão.

Não ficou imediatamente claro qual parcela de Rastan está sob controle das forças governistas, já que os tiroteios prosseguem. “Faz dois dias que não podemos sair de casa, e não temos ideia das baixas”, disse outro morador de Rastan. Ativistas locais dizem que mais de 20 pessoas ficaram feridas, mas que os combates impedem o acesso ao hospital. Em discurso na segunda-feira à ONU, o chanceler sírio, Walid al Moualem, pediu o fim da “intervenção estrangeira” que, segundo ele, estaria por trás das manifestações contra Assad, cuja família governa a Síria há 41 anos.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!