Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ADVERTISEMENT

FMI avisa que descentralização fiscal em Moçambique deve ser “gradual”

FMI avisa que descentralização fiscal em Moçambique deve ser “gradual”

Foto de Adérito CaldeiraEnquanto a Assembleia da República está a transformar em leis os consensos alcançados para a paz em Moçambique e que ditaram a revisão pontual da Constituição da República o Fundo Monetário Internacional (FMI) avisou que a descentralização fiscal deve ser “gradual”. Contudo o @Verdade apurou que mesmo que se pretendesse acelerar a autonomia financeira não existem condições praticas para a sua materialização: os governos provinciais e as autarquias locais ainda não usam sequer o e-SISTAFE.

Com um consenso que não é habitual na “Casa do Povo” foram aprovadas pelos bancadas parlamentares do MDM, Renamo e Frelimo, nesta quarta (27) e quinta-feira (28), na generalidade, a Lei de Organização e Funcionamento do Órgão Executivo de Governação Descentralizada Provincial, a Lei de Tutela do Estado sobre os Órgãos de Governação Descentralizada Provinciais e das Autarquias Locais, a Lei de Organização e Funcionamento da Assembleia Provincial e ainda a Lei para a Eleição dos Membros da Assembleia Provincial.

Mas para além de organizar a participação dos cidadãos na solução dos problemas das suas comunidades, aprofundar a democracia e desenvolver as províncias, município e distritos são necessários recursos financeiros que o Estado central não tem e os governos locais têm sido as gerar em montantes suficientes sequer para o seu funcionamento.

Durante a X Reunião Nacional de Autarquias Locais que decorreu há duas semanas em Maputo o ministro da Economia e Finanças revelou que: “Quase todos os municípios estão a pegar nas Transferências do Orçamento do Estado como principal fonte de funcionamento, quando são acréscimos para investimento”. Adriano Maleiane disse aos presidentes dos municípios que, por exemplo, o Fundo de Compensação Autárquica “não é para pagar salários”.

“Está consagrada na lei a autonomia administrativa, financeira mas como é que chegamos lá se não estamos a gerar receitas suficientes para ter essa autonomia? Aquilo que a lei já permite tem de ser cobrado”, apelo o ministro Maleiane que demandou os municípios a informatizarem as suas finanças. “Verifica-se que alguns municípios fazem cobrança das suas Receitas de forma manual, agora é tempo de computador, vamos investir um pouco nisso”.

No entanto o titular da Economia e Finanças admitiu que o sistema electrónico de gestão financeira do Estado, e-SISTAFE ainda não está disponível para uso no município de pelos governos provinciais. “Nós estamos a trabalhar para integrar todos no E-SISTAFE” disse Maleiane.

“Já existe um trabalho com CEDSIF para informatizar o SISTAFE, é obrigatório segundo a Lei 9/2002 as autarquias tem que aderir ao E-SISTAFE. A promessa que eu faço é que vamos trabalhar com a Associação de Municípios para ver na prática como ver questões práticas como as comunicações, a formação das pessoas”, clarificou o ministro.

“Transferência gradual das responsabilidades relacionadas com a receita e a despesa para os níveis subnacionais do governo”

No entanto mesmo com poucas receitas e gestão em papel pelo menos 9 municípios haviam contraídos até 2017 empréstimos comerciais de longo prazo. De acordo com o Tribunal Administrativo liderava a lista de municípios endividados a Matola, com 1,4 bilião de meticais, Pemba devia 74 milhões, Nampula 66 milhões, Chimoio 17, 9 milhões, Catandica 8,5 milhões, Chókwè 3,6 milhões, Xai-Xai e Inhambane devia 3 milhões de meticais cada.

Relatório e Parecer do TA sobre a Conta Geral do Estado de 2017

Talvez por isso a equipa do FMI que esteve em Moçambique para avaliar a “saúde” da economia tenha deixado o aviso: “Embora a missão apoie a decisão de descentralização fiscal, recomenda uma transferência gradual das responsabilidades relacionadas com a receita e a despesa para os níveis subnacionais do governo, em linha com a capacidade destes para manter a qualidade da prestação dos serviços e bens públicos”. Ricardo Velloso sublinhou “a importância de implementar a descentralização fiscal sem aumentar os défices fiscais globais, dadas as dificuldades colocadas pelo nível elevado de dívida pública”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!