Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Filme de “Kollywood” provoca histeria na Índia

Um filme de “Kollywood”, o cinema do sul da Índia, provocou tanta histeria ao longo do gigante asiático que nesta sexta-feira alguns escritórios preferiram dar folga para seus empregados se unirem aos milhares de fãs que estavam há dias esperando a estreia de “Kabali”.

Embora o cinema indiano seja mais conhecido fora do país por “Bollywood”, a megaindústria do celuloide com sede em Mumbai, o sul tem a sua própria produção cinematográfica em Chennai no idioma regional, o tâmil.

No entanto, o carisma de uma de suas estrelas, o actor Rajinikant, é tal que transformou num acontecimento a chegada às telas neste final de semana desta história de máfia que, apesar de tanta euforia, não conseguiu conquistar a crítica. “O filme se transforma numa orgia de disparos e violência, e qualquer aspecto do argumento e da história salta pela janela”, opinou o site informativo “News18”.

No entanto, a cena de milhares de espectadores dançando ao ritmo de tambores na entrada dos cinemas e exibindo camisetes com a imagem do seu ídolo perante os enormes cartazes de “Kabali” estendeu-se de Chennai a Nova Délhi, passando por Mumbai ou Bangalore, onde se viram longas filas nas bilheteiras.

Ao estilo das caravanas eleitorais na Índia, não faltaram as fileiras de jovens em motos anunciado a estreia, embora a intensa campanha promocional tenha feito com que em muitas das cerca de 12.000 salas onde está a ser projectada as ansiadas entradas estivessem reservadas há dias e para toda a próxima semana.

“Kabali” obteve 20% da bilheteira nas primeiras horas da sua estreia, contra apenas 8% de outros lançamentos do dia apesar de estarem protagonizados por estrelas como Irrfan Khan.

As televisões indianas mostraram imagens de escritórios vazios em empresas como a Fyndus, dedicada a softwares em Chennai, que decidiu dar o dia livre uma vez que a maioria dos funcionários tinha pedido para trocar o computador pela tela de cinema nesta sexta-feira. Houve inclusive quem viajou de Londres a Mumbai para não perder essa estreia, segundo a agência de notícias indiana “Ians”.

Filmado em tâmil, mas traduzido a outros idiomas como o híndi, este drama de acção escrito e realizado pelo indiano Panduranga Ranjith teve cenas rodadas na Malásia, Tailândia e Hong Kong.

O veterano Rajinikant, de 65 anos, embora pareça mais jovem no longa-metragem, volta às telas após um lapso de dois anos e já foi um dos actores mais bem pagos da Ásia, só superado por Jackie Chan.

A Índia produz o dobro de filmes de Hollywood, num país onde ir ao cinema é uma das principais actividades de lazer, e são vendidos a cada anos 3,6 biliões de ingressos, mais que nos Estados Unidos da América.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!