Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Festival Standard Bank Acácia Jazz: Uma memorável exibição de música moçambicana e norte-americana

Maputo viveu, sexta-feira, 2 de Dezembro, uma noite badalada de emoções e animação proporcionada pela IV edição do Festival Standard Bank Acácia Jazz, que teve como figuras de cartaz dois músicos norte-americanos, nomeadamente o teclista Jeff Lorber e o saxofonista Everette Harp.

A esta grandiosa festa do jazz, juntaram-se o renomado guitarrista moçambicano Jimmy Dludlu e a jovem artista promessa do afro-fazz nacional Leyna Souto, que não deixaram os seus créditos em mãos alheias. A jovem esmerou-se na sua actuação, o que lhe valeu um convite dos músicos norte-americanos para colocar a sua voz no tema que encerrou o show.

O festival, que teve a duração de um pouco mais de quatro horas, arrancou com a actuação da Leyna Souto. A jovem artista apresentou seis temas, com nota alta, fazendo jus à sua promessa: uma memorável exibição. Visivelmente feliz, Leyna Souto disse ter adorado fazer parte do festival. “O público foi receptivo às minhas músicas. Foi o máximo. Curti o momento. A banda esteve à altura do show. O público embalou nas minhas músicas, daí que posso concluir que actuei como se fosse uma veterana”.

A seguir à Leyna, foi a vez de Jimmy Dludlu subir ao palco. Com o seu estilo característico, o famoso guitarrista moçambicano tocou, dançou e interagiu calorosamente com o público, incendiando o festival com uma excelente execução de diversos temas sobejamente conhecidos. Momentos após a actuação, Jimmy disse: “Hoje eu não fiz nenhum show. Os meus alunos é que fizeram. Parabéns à Escola de Comunicação e Artes (ECA) da UEM. Parabéns ao Standard Bank e a todos os artistas que fizeram parte do festival. Nós estamos aqui para representar a nossa bandeira que é o Festival Standard Bank Acácia Jazz e o País”.

O encerramento do show esteve a cargo do quinteto norte-americano, no qual destacaram-se o teclista Jeff Lorber, o saxofonista Everette Harp, o baterista Lionel Cordew e o guitarrista Tony Pulizzi. O agrupamento marcou em grande a sua primeira apresentação em Moçambique ao executar com maestria vários temas desenvolvidos a partir do hard bop, com influência do blues.

Os pouco mais de mil espectadores que encheram a tenda instalada no Campus da Universidade Eduardo Mondlane (UEM) em Maputo, para assistir ao show, deleitaram-se ao som dos músicos que preencheram o alinhamento do concerto. Abordada no decurso do espectáculo a ministra da Justiça, dos Assuntos Constitucionais e Religiosos, Helena Kida, indicou que o País estava a precisar de espectáculos de qualidade com a participação de músicos moçambicanos: “Jimmy é um artista de mão cheia e esteve acompanhado por jovens, daí os meus parabéns aos mentores da iniciativa e que venham mais eventos como este”.

Por sua vez, o embaixador dos Estados Unidos da América, Peter Hendrick Vrooman, que também estava entre o público, manifestou a sua satisfação pela realização do festival envolvendo músicos moçambicanos e norte-americanos: “Gostei da performance dos artistas moçambicanos e também dos norte-americanos”, afirmou.

Os promotores do Festival Standard Bank Acácia Jazz mostraram-se bastante satisfeitos com esta edição. O administrador delegado do Standard Bank, Bernardo Aparício, fez uma avaliação positiva do evento, salientando a forte aderência do público, a boa organização, a boa qualidade do som, assim como a excelente performance dos músicos. Bernardo Aparício acrescentou que tem sido uma marca do Standard Bank promover eventos com protagonistas renomados a nível global: “Fizemos isso com o ténis, trazendo tenistas com ranking mundial e temos agora o jazz e vamos continuar a organizar eventos que coloquem Moçambique na rota mundial, quer do desporto quer da cultura”, frisou.

Já o edil de Maputo, Eneas Comiche, falando na qualidade de parceiro da iniciativa, destacou que se pretende com eventos desta natureza transformar Maputo numa capital da cultura: “Acreditamos que com estes passos chegaremos lá”, disse.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!