Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Falta de água potável e alimentação condigna preocupada os reclusos da Cadeia de Malema em Nampula

A cadeia do distrito de Malema, na província de Nampula, debate-se, desde o passado mês de Abril do presente ano, com problemas de falta de água potável e alimentação condigna para os reclusos que se sentem intimidados pelas autoridades governamentais locais.

A situação da falta de água potável está a tomar proporções alarmantes chegando a atingir a população da vila sede que tem vindo a recorrer aos rios que distam entre 2 a 5 quilómetros da unidade prisional para encontrar o precioso líquido.

Na sequências de várias queixas dos reclusos o administrador distrital de Malema, Daude Mussa, reuniu-se com os reclusos para se inteirar sobre a situação da falta de água e outros problemas. Segundo contam os reclusos, desde que tiveram a conversa com o administrador distrital esperavam a resolução dos assuntos colocados, mas, na verdade os problemas agravaram-se, pois, segundo eles, desde que se encontraram com o administrador, têm vindo a ser ameaçados pelos guardas prisionais de nunca sairem das celas por indisciplina.

De acordo com uma carta enviada pelos reclusos para a nossa redacçao em Nampula, esta situação já se arrasta por muito tempo e várias cartas foram enviadas ao governo distrital e à direcção das Prisões ao nível da província de Nampula, mas nenhuma coisa foi resolvida.

Segundo a carta daqueles reclusos, nos proxímos dias, caso a situação não seja resolvida a curto prazo, poderão promover greves pacíficas dentro das celas até que haja legalidade ou resolução dos vários problemas que enfrentam no dia a dia.

A mesma carta refere que aqueles reclusos têm sofrito ameaças de morte por parte dos funcionários da unidade prisional, e que poderão passar dias ou meses a beneficiar duma única refeição enquanto continuarem a colocar queixas quando tiverem oportunidade de receber visitas.

A carta refere que aqueles prisioneiros não voltarão a falar com niguém mesmo que sejam as pessoas representantes de organizações dos direitos humanos, pois cada vez que eles chegam acabam deixando problemas para os reclusos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!