Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Faleceu Mário Wilson, o “velho capitão” da Académica que se tornou uma referência do Benfica

Mário Wilson faleceu esta segunda-feira(03), aos 86 anos, nas vésperas de celebrar o seu 87º aniversário, vítima da degradação do seu estado de saúde, decorrente de uma pneumonia sofrida em Fevereiro. Nasceu em Maputo, a 17 de Outubro de 1929, e representou a Académica em quase toda a sua carreira de futebolista, precisamente durante 12 épocas, depois de dois anos no Sporting (1949-1951), no qual se sagrou campeão em 1950/51, e um no Desportivo de Lourenço Marques, em 1948/49. “Desde muito jovem, em terras do nosso mestre e ídolo Eusébio, eu já era Benfiquista”, disse o velho capitão.

Como treinador, orientou o Benfica em três ocasiões, em 1975/76, 1979/80 e 1995/95, conquistando o título de campeão nacional de 1975/76 e as Taças de Portugal de 1979/80 e 1995/96.

Além dos ‘encarnados’, Mário Wilson orientou outros emblemas portugueses como Académica, Belenenses, Tirsense, Vitória de Guimarães, Boavista, Estoril-Praia, Cova da Piedade, Louletano, Torreense, Louletano, Olhanense, Águeda e Alverca, totalizando 548 jogos no primeiro escalão do futebol nacional.

Comandou ainda a selecção portuguesa na qualificação para o Campeonato da Europa de 1980, assim como os marroquinos do FAR Rabat.

Mário Wilson, conhecido no meio futebolístico como ‘velho capitão’ da Académica, tornou-se uma referência do Benfica, ao conquistar nos ‘encarnados’ o título de campeão em 1975/76 e as Taças de Portugal de 1979/80 e 1995/96, como treinador.

Durante a sua carreira futebolística, iniciada no Desportivo de Lourenço Marques, atual Maputo, em 1948/49, atuou como avançado no Sporting, entre 1949 e 1951, sagrando-se campeão em 1950/51, e defesa na Académica, entre 1951 e 1963.

Iniciou depois a carreira de treinador na ‘Briosa’, começando como adjunto de Cândido de Oliveira e depois de José Maria Pedroto, Otto Bumbel, Biri e Ibelloni. Em 1968, foi técnico principal de Belenenses, Vitória de Guimarães, Benfica e Boavista.

Regressou à Académica, seguindo-se o Estoril-Praia, Cova da Piedade, Louletano, Torreense, Olhanense, Águeda e, por último, o FAR Rabat, de Marrocos.

É dele a célebre frase “quem treina o Benfica arrisca-se a ser campeão nacional”, o que lhe aconteceu na época de 1975/76, quando orientou os ‘encarnados’ na transição entre Milorav Pavic e John Mortimore, a quem viria a suceder em 1979/80. Proferiu outras frases memoráveis, como “se não acreditasse no Benfica ia vender preservativos para o Rossio”.

Voltou a treinar a equipa principal das ‘águias’, em 1995/96, após a demissão de Artur Jorge, conquistando a sua segunda Taça de Portugal. Conhecido como ‘velho capitão’, Mário Wilson foi ainda selecionador de juniores durante duas épocas e comandou a seleção principal entre Setembro de 1978 e maio de 1980.

“Desde muito jovem, em terras do nosso mestre e ídolo Eusébio, eu já era Benfiquista. Fui transferido para o Sporting e até ganhei um Campeonato, mas eu era Benfiquista. É qualquer coisa de brilhante, apaixonante, que vocês ainda não tiveram oportunidade de sentir de uma forma tão expressiva. O tempo levará a isso. Vai ser sublime, porque a maioria que está aqui são jovens”, disse Mário Wilson num discurso proferido na homenagem de que recebeu, em 2012, na Gala do 108º aniversário do Benfica.

 

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!