Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Um oásis de cultura

Um oásis de cultura
Na Faixa de Gaza, um pedaço de terra martirizado desde há 2500 anos por um incontável número de guerras, abriu há seis semanas o único museu do território. O novo espaço, já visitado por quase 15 mil pessoas – dos quais 5 mil são estudantes -, conta com 300 peças expostas numa única sala.

O recinto foi desenhado com particular bom gosto, chocando até com a miséria que o rodeia. “A minha missão é mostrar que existe outra visão desta terra, é mostrar a outra Gaza”, esclarece Jaudat Judary.
Há 22 anos que este cinquentão começou a coleccionar peças, de um modo artesanal como se fazem as coisas em Gaza. Há décadas que Judary tem crianças à procura de moedas antigas nas praias de Gaza. Esta é sem dúvida uma das fontes do património deste apaixonado pela arqueologia. Mas não é a única: “Fiz um esforço para convencer os meus operários a escavar com cuidado”, comenta este proprietário de uma empresa de construção. Foi deste modo que recolheu pedaços de sílex, ânforas, vasilhas, colunas… Existe ainda um terceiro método: os pescadores. “Encontram autênticos tesouros. Tudo o que se possa imaginar”, comenta.
Al Mathaf é uma espécie de oásis. Situado junto ao paupérrimo campo de refugiados de Shati, o museu conta com um amplo e confortável terraço onde se serve sumo, chá e refresco.
A Faixa, com uma dimensão de 367 quilómetros quadrados e povoada por 1 milhão e meio de pessoas, é um jazigo arqueológico inesgotável, aguardando constantemente que peritos desenterrem as suas riquezas. Faraós, fenícios, nabateus, o grego Alexandre Magno, romanos, bizantinos, persas, árabes, cruzados, otomanos, Napoleão, britânicos, israelitas… todos deixaram o seu quinhão neste território mediterrâneo. Quase sempre com sangue pelo meio. Já antes do apogeu de Roma, o panorama era bem diferente: o porto de Gaza era o mais movimentado do Mediterrâneo oriental. Os navios carregados de mercadorias do Extremo Oriente recarregavam ali baterias no caminho para a Europa.
“Sempre que se escava um pouco encontra-se alguma coisa”, afirma Judary, que gastou boa parte da sua fortuna neste projecto. “Não creio que o problema seja falta de fundos públicos. Entre 1994 e 2000 havia muitos fundos e missões internacionais dispostas a fazer escavação.” Judary nunca contou com a ajuda do governo palestiniano. Aliás, é avesso a falar de dinheiro, recusando-se a revelar o dinheiro que gastou no projecto. A entrada é gratuita. “Há muita ignorância quando se fala da conservação da herança arqueológica, e as autoridades tanto no passado como actualmente têm outras prioridades.”
Os roubos de património arqueológico têm sido tão constantes como as batalhas que Gaza já conheceu. “Já foram levadas para o estrangeiro peças de todas as épocas. O rosto cananita, obra esculpida em pedra, foi das poucas obras poupadas pelo general israelita Moshe Dayán, um reconhecido aficionado da arqueologia. Agora é mais difícil. Não podemos exportar nada. É a única vantagem do assédio”, sorri sarcástico.
Responsáveis do museu de Genebra – onde 315 peças de Judary foram expostas até Outubro de 2007, aguardando só que o bloqueio a Gaza abrande para regressar a casa – chegarão no final de Setembro para dar apoio ao novo museu. “Ainda há muito por fazer. Quase tudo.”
Os cartazes e folhetos explicativos estão somente em Árabe. “Ainda temos que documentar bem as peças, desenhar folhetos, traduzi-los para inglês.”
“Se tivéssemos uma situação estável, ampliaríamos o museu e construiríamos salas de conferências”, conta Jurady. As relíquias e obras não escasseiam. “Da próxima vez que vier levo-o a minha casa. Tenho lá outras mil peças.”
São nove da noite. Há duas horas que terminou o jejum imposto pelo Ramadão. Saciado o estômago, depois de 14 horas sem comer nem beber, os locais – jovens, adultos e crianças – tratam de saciar a sua fome de ócio num território onde há muito desapareceram os cinemas e os teatros. Na enorme prisão que é Gaza, só os locais podem desfrutar de Al Mathaf. Um pequeno alívio para as dores quotidianas.
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!