Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Exportações japonesas registram queda recorde de quase 50% em fevereiro

As exportações japonesas sofreram em fevereiro um queda interanual recorde, de quase 50%, que coloca a segunda economia mundial a caminho da mais grave recessão desde a Segunda Guerra Mundial, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira.

   A economia japonesa, altamente dependente de suas exportações, foi uma das mais afetadas pela crise econômica mundial, que reduziu drasticamente a demanda de automóveis e de produtos tecnológicos.
   As exportações de automóveis japoneses caíram 72,9%, as de semicondutores, 51,1%, e as de televisores, 63%.

   “As exportações japonesas não parecem capazes de se recuperar (rapidamente) e é difícil prever uma recuperação rápida, a menos que a crise financeira mundial se amenize”, disse Ryohei Muramatsu, analista do Commerzbank.

   O faturamento externo do Japão caiu em fevereiro 49,4% em relação ao mesmo mês de 2008, depois de ter caído 45,7% em janeiro, indicou o ministério das Finanças.

   Os embarques para os EUA e para a Europa caíram em fevereiro mais da metade (-58,4% e -54,7% respectivamente), enquanto os destinados ao mercado chinês recuaram 40%.

   A economia japonesa registrou no último trimestre de 2008 seus piores resultados em quase 35 anos, com uma queda de 12,1% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em comparação com o mesmo período do ano anterior.

   Os analistas prevêem dados ainda piores no primeiro trimestre deste ano. O economista Akira Maekawa previu uma contração de 15,1% do PIB, o que seria o pior resultado desde 1945.

   Apesar da queda brutal das exportações, o Japão obteve em fevereiro um excedente comercial de 82,35 bilhões de ienes (840 bilhões de dólares), dado que as importações também caíram, 43%, devido à desaceleração econômica e dos preços mais baixos das matérias-primas e a energia.

   Este superávit da balança comercial é inferior em 91,2% ao registrado em fevereiro do ano passado, mas é o primeiro em cinco meses e desmente as previsões dos analistas, que apostavam em média num déficit de 13,7 bilhões de ienes, segundo pesquisa realizada pelo DowJones Newswires.

   Mas o resultado de fevereiro não favorece muito o otimismo.

   “A forte queda das exportações e das importações são a prova da contração da economia mundial”, disse Kyohei Morita, economista chefe do Barclays Capital.

   Gigantes corporativos japoneses como Toyota e Sony cortaram milhares de postos de trabalho e registraram perdas enormes.

   “O crescimento do Japão dependia exclusivamente das exportações. É natural que o japão esteja sendo muito mais afetado pela crise do que os demais países”, comentou Noriko Hama, professor da Doshisha Business School.

   O primeiro-ministro, Taro Aso, anunciou este mês planos de estímulo econômico e o banco central cortou quase para zero sua taxa básica de juros, para tentar dinamizar o crédito.
   Para os analistas, a economia japonesa só vai começar a se recuperar quando a demanda dos EUA e da China voltarem a crescer.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!