Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Explosões matam 40 em Damasco, dizem autoridades sírias

Carros-bomba explodiram em Damasco nesta sexta-feira, disseram autoridades, matando 40 pessoas no pior episódio de violência na capital síria em nove meses de rebelião popular contra o presidente Bashar al Assad. Os ataques, que a imprensa estatal creditou à al Qaeda, atingiram duas instalações de segurança e ocorreram um dia após de representantes da Liga Árabe chegarem à Síria para preparar uma missão de monitoramento que avaliará a implementação de um plano de paz para por fim ao derramamento de sangue.

Assad destacou tanques e tropas para tentar conter uma onda de protestos contra seu governo, inspirados em outras revoltas árabes neste ano. A maioria dos protestos pacíficos estão sendo ofuscados pela insurgência armada contra seu aparato militar e de segurança. Mas as explosões desta sexta-feira no centro de Damasco sinalizam uma dramática escalada da violência, a qual as autoridades sírias responsabilizam grupos armados que teriam matado 2 mil soldados e forças de segurança desde que a revolta popular começou em março.

A televisão estatal informou que mais de 150 pessoas ficaram feridas nas explosões. O canal exibiu imagens de corpos a serem levados em lençóis em ambulâncias. As imagens monstraram também ruas ensanguentadas com partes de corpos humanos, carros destruídos e outros destroços, e uma fila de corpos enrolados em lençóis. A TV síria disse que os ataques se concentraram em um prédio da administração estatal de segurança e uma delegacia local.

A Síria tem impedido o acesso da imprensa estrangeira no país, dificultando a confirmação dos relatos de ambos os lados. O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do país, Jihad Makdesi, disse que os ataques foram realizados por “terroristas (que tentam) sabotar a vontade de mudança” na Síria, e seguiu alertas do Líbano de que militantes da al Qaeda se infiltraram na Síria vindos de território libanês. Nenhum grupo se responsabilizou pelos ataques.

A Organização das Nações Unidas (ONU) afirma que as forças de Assad já mataram mais de 5 mil pessoas na repressão aos protestos iniciados em março, como parte da chamada Primavera Árabe. Nos últimos meses, a intensificação da violência dá ao conflito ares de guerra civil.

Os protestos contra Assad tomam conta do país inteiro, mas o centro de Damasco e a importante cidade de Aleppo (norte) permanecem relativamente tranquilas. No mês passado, uma pequena explosão perto de um prédio da inteligência síria na capital causou poucos danos.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!