Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Explosões de bombas nas províncias xiitas matam 24 pessoas no Iraque

Uma série de explosões nas províncias predominantemente xiitas do Iraque matou pelo menos 24 pessoas, este Domingo (14), disseram os médicos e a polícia.

A violência faz parte de uma campanha sustentada de ataques de militantes desde o início do ano, o que aumentou o alerta para ataques no país onde os curdos, xiitas e sunitas ainda têm de encontrar um compromisso estável de partilha de poder.

Um homem-bomba matou pelo menos quatro pessoas numa mesquita xiita na cidade de Mussayab, e um carro-bomba explodiu num movimentado mercado na cidade de Kut, matando cinco pessoas, disseram os médicos e a polícia.

Três bombas explodiram uma após a outra perto da sede de um partido político xiita no reduto petrolífero de Basra, 420 quilómetros a sudeste de Bagdad, matando pelo menos oito pessoas, disse a polícia.

“Quando a primeira explosão aconteceu, eu corri para socorrer as vítimas. Vi dois ou três corpos queimados antes de a polícia me pedir para dar um passo atrás”, disse um homem que se identificou apenas como Alaa.

“Quando a polícia me obrigou a me afastar, a segunda explosão aconteceu.” Dois carros-bomba explodiram num mercado em Nassiriya, 300 quilómetros a sudeste de Bagdad, matando duas pessoas. Outro carro-bomba matou quatro pessoas num movimentado mercado na cidade sagrada xiita de Kerbala, 80 quilómetros a sudoeste da capital, informou a polícia.

Não estava claro quem estava por trás do ataque, mas os insurgentes sunitas, incluindo do Estado Islâmico do Iraque, um grupo ligado à Al Qaeda, têm recuperado força nos últimos meses, dizem as forças de segurança.

Sábado, dois ataques a bomba perto de mesquitas sunitas em Bagdad mataram pelo menos 23 pessoas que se reuniram para rezar depois de quebrar o jejum diário no mês sagrado muçulmano do Ramadã. Mais de 300 pessoas foram mortas até agora em Julho, de acordo com um grupo de monitoramento da violência.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!