Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Explosão de carro-bomba mata 8 pessoas perto da fronteira da Turquia com a Síria

Um carro-bomba matou pelo menos oito pessoas e deixou dezenas de feridos, esta Segunda-feira (20), perto duma delegacia de polícia da cidade de Gaziantep, que fica perto da fronteira com a Síria, no sudeste da Turquia, num ataque atribuído por um político a separatistas curdos.

Imagens de TV mostraram bombeiros a tentarem apagar um incêndio num autocarro e ambulâncias a retirarem vítimas diante do olhar perplexo de pedestres.

“Infelizmente perdemos oito cidadãos e quase 60 pessoas estão a ser tratadas em vários hospitais, segundo a nossa informação inicial”, disse aos repórteres o governador de Gaziantep, Erdal Ata.

As autoridades disseram que a explosão foi causada por uma bomba accionada por controle remoto.

Ninguém assumiu de imediato a autoria, mas o sudeste da Turquia é cenário de frequentes ataques do grupo separatista Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

O atentado deve estremecer ainda mais as relações da Turquia com o governo da Síria, acusada por Ancara de apoiar o PKK.

“O PKK … está a tentar provocar os nossos cidadãos ao atacar directamente a população civil. Os nossos cidadãos precisam de permanecer de cabeça fria”, disse pelo Twitter o político Omer Celik, vice-presidente do partido governista AK.

O PKK actualmente controla algumas áreas da Síria fronteiriças com a Turquia, e Ancara acredita que os militantes separatistas recebem armas das forças do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Sábado (20), a Turquia começou a distribuir ajuda humanitária aos refugiados sírios na fronteira, e Gaziantep é uma região que tem recebido um fluxo especialmente intenso de civis fugindo do conflito dos últimos 17 meses na Síria.

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, outrora aliado de Assad, tornou-se nos últimos meses um dos seus mais duros críticos, chegando inclusive a acenar com a possibilidade duma intervenção militar na Síria caso o PKK torne-se uma ameaça no país árabe.

A Turquia suspeita que o Partido da União Democrática (PYD), composto por sírios de origem curda, tenha ligações com o PKK.

Os analistas turcos dizem que Assad pode ter permitido que o PYD controlasse algumas áreas do norte sírio para evitar que as populações locais aderissem à rebelião.

Os combates entre o Exército turco e os militantes do PKK intensificaram-se nas últimas semanas no distrito turco de Semdinli, na fronteira com Irão e Iraque.

Também, esta Segunda-feira (20), dois soldados turcos foram mortos por uma mina terrestre numa estrada no sudeste do país, num ataque que as autoridades também atribuíram ao PKK.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!