Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Expedição Pristine Seas do National Geographic’s em Moçambique

Expedição Pristine Seas do National Geographic's em Moçambique

Encontra-se a cerca de uma semana na costa de Inhambane, a sul de Moçambique, a expedição Pristine Seas da National Geographic’s, a realizar estudos sobre os ecossistemas marinhos, considerados dos mais ricos da África. De acordo com Paul Rose, que lidera a equipa, há uma grande necessidade e urgência na conservação desta riqueza existente no fundo do mar, a qual detém um grande atractivo turístico e, consequentemente, uma significativa fonte de rendimento para economia de Moçambique. Entretanto, esta rica reserva está a ser utilizada com muita pressão pelo homem, o qual já se tornou no maior predador das espécies.

“Há um grande risco de desequilibrar esta parte da natureza, se não forem tomadas medidas que passam pela sensibilização das pessoas sobre a importância da preservação das espécies marinhas”.

Segundo Andrea Marshall, directora da Marine Megafauna Foundation, que acompanhava na circunstância a equipa da National Geographic’s, a fauna marítima na costa de Inhambane está em declínio.

“Estou a trabalhar em Inhambane há 12 anos, e o que noto é que, apesar deste fenómeno, as espécies ainda existem e continuam a constituir um grande valor económico para o país. O que se precisa, é que se tomem medidas para se estancar a pressão do homem sobre elas”. Andrea Marshall citou o exemplo da Indonésia, empenhada na conservação das espécies, as quais se tem tornado num grande motivo turístico e, consequentemente, gerador de receitas que rondam milhões de dólares. “Moçambique tem possibilidades de caminhar por aí”.

A equipa da National Geographic’s está a fazer um estudo numa área compreendida entre a praia de Závora e norte de Bazaruto. Paul Rose disse-nos que estarão aqui até finais de Abril. “Temos um equipamento de ponta que nos permite fazer um estudo muito aprofundado sobre os ecossistemas , e esperamos descobrir mais corais, peixes e e outras espécies. Esta zona está pouco estudada, e se ela é das mais importantes da África, então é, com certeza, das mais importantes do mundo”.

Este investigador já esteve em Moçambique em momentos anteriores, e percebeu que Inhambane é uma zona privilegiada, com grande potencial para se tornar uma enorme referencia mundial, e gerar receitas para a economia nacional.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!