Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Estudantes devem primar pelo conhecimento–Gabriel Simbine

Estudantes devem primar pelo conhecimento–Gabriel Simbine

Os estudantes de hoje devem primar por uma educação de conhecimento e valores culturais, para assegurar a sua afirmação na sociedade e, desta maneira, possibilitar a realização de feitos heróicos semelhantes aos de Eduardo Mondlane.
Assassinado a 03 de Fevereiro de 1969 na Tanzânia, Mondlane foi o primeiro presidente da Frelimo, na altura movimento de libertação, mas hoje partido no poder em Moçambique há 34 anos.
Esta afirmação foi feita hoje em Maputo por Gabriel Simbine, grande personalidade, que conheceu e conviveu com Eduardo Mondlane, Arquitecto da Unidade Nacional, falando na palestra subordinada ao tema “Pensamento de Eduardo Mondlane sobre a Cultura”, por ocasião do lançamento da Semana Nacional da Cultura.
O evento, momento ímpar de reflexão e debate nacional sobre a real situação da cultura, será marcada pela realização de uma vasta gama de manifestações de arte e cultura, entre elas o artesanato, o cinema, a música, a dança, o teatro e a literatura, bem como vistas aos locais do património cultural.
Segundo Simbine, Mondlane foi uma pessoa que estudou para saber, e saber muito bem, sem nunca recorrer as cábulas de que a juventude estudantil de hoje se socorre, tanto para conseguir boas notas nas provas escritas quanto passar de classe, mas sem conhecimento.
“As fraudes académicas que hoje assistimos nunca fizeram parte de Mondlane, porque ele foi uma pessoa que estudou para saber, e saber muito bem”, sublinhou Simbine, em clara crítica ao desempenho dos alunos no sistema de ensino e aprendizagem do país.
Eduardo Chivambo Mondlane teve de enfrentar e ultrapassar muitos obstáculos na sua vida. Em 1933 matriculou-se na Escola Primária da Missão de Maússe. Já órfão de pai aos dois nos de idade, ele perdeu a sua mãe no mesmo ano que iniciava os seus estudos em Maússe.
Passava assim, a ser órfão pai e mãe aos 13 anos.
O sistema de educação colonial tinha sido estruturado para dificultar, o máximo possível, a educação dos moçambicanos.
As escolas, incluindo as do ensino primário, eram poucas e bem distantes de onde os alunos viviam.
Por outro lado, o ensino primário para os chamados indígenas estava desenhado para ser feito em seis anos. Por exemplo, Eduardo Mondlane só poderia vir a concluir o ensino primário quando já tivesse 19 anos, portanto idade muito avançada para entrar na escola secundária onde o limite era 14 anos.
Em contrapartida, para os colonos era concluído em apenas quatro anos.
Contudo, Mondlane, segundo Simbine, venceu todas as adversidades impostas pelo regime colonial e conseguiu doutorar-se em Sociologia e Antropologia nos Estados Unidos da América (EUA), tornando-se, desta feita, o primogénito da intelectualidade moçambicana, tendo, mais tarde, ficado a trabalhar para as Nações Unidas.
Apesar de todo o prestígio que ele foi conquistando, Mondlane nunca se esquecia das suas origens, que as articulava e as assumia publicamente com muito orgulho.
“O longo percurso trilhado por Mondlane permitiu aprender novas línguas que são o português e o inglês, mas nunca teve vergonha de falar publicamente o xangane, sua língua de origem”, disse Simbine, apontando que mesmo nos encontros que mantiveram nas Nações Unidas, Mondlane falava em xangane e ele (Simbine) em xitsua.
Simbine destacou igualmente a humildade de Eduardo Mondlane na forma como usava as várias armas da cultura para liderar, libertar e unificar os povos.
O orador apontou, a título de exemplo, a fusão dos três movimentos nacionalistas moçambicanos que estavam na Tanzânia, nomeadamente União Democrática Nacional de Moçambique (UDENANO), União Nacional para Moçambique Independente (UNAMI) e União Nacional Moçambicana (UNAMO).
Com vista a conseguir unificar os três movimentos, para lutarem pela mesma causa, Mondlane teve de usar todo o conhecimento académico e cultural de que dispunha, daí que os alunos daquela escola que, por sinal, ostenta o seu nome, devem estudar para saber mais e quiçá conseguir os mesmos feitos de Mondlane.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!