Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Estudantes da Escola de Comunicação e Artes treinam com Lisístrata

Na passada sexta-feira, à entrada do Centro Cultural Universitário da UEM, avisava-se: o que vai assistir agora não é uma peça de teatro mas sim um exercício de representação de final de semestre dos alunos do 3º ano de Teatro da Escola de Comunicação e Artes da UEM.

Depois acrescentava-se: a obra contém linguagem e cenas que podem ser consideradas chocantes, pelo que se desaconselha fortemente a presença de menores de idade. Após estes dois avisos deu-se início à peça Lisístrata de Aristófanes, interpretada pelos tais estudantes de teatro. Para Vítor Gonçalves, o director do curso, o exercício a que se assistiu “constitui um momento essencial na formação dos alunos” uma vez que “ele representa o princípio da busca de autonomia artística de um conjunto de alunos que, há dois anos e meio, iniciaram a sua formação. “[…]

Esta é a primeira vez que os alunos levam ao encontro do público um trabalho criado e planificado com um apreciável grau de independência criativa, que representa a busca de uma personalidade artística, quer enquanto grupo, quer enquanto indivíduos. Depois, prosseguiu: “O trabalho teve duas raízes distintas: para os alunos do ramo da encenação trata-se de uma primeira experiência de direcção, para os do ramo de representação trata-se da identificação, construção e exibição pública de uma personagem.” O texto escolhido, Lisístrata de Aristófanes, é um clássico com cerca de 2500 anos.

O mesmo sofreu adaptações e transposições, sobretudo ao nível da onomástica e geografia por se considerar que não haveria ganhos de comunicabilidade em transmitir ao espectador moçambicano do século XXI referências e situações que a história tornou obsoletos. No final, os alunos ouviram algumas críticas solicitadas por Vítor Gonçalves ao público presente. Os intelectuais Calane da Silva, Machado da Graça e António Cabrita foram os mais interventivos. As principais críticas foram para a inconstância na colocação da voz, para uma certa dispersão em palco e para o facto de os actores se libertarem do personagem antes de saírem de cena.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!