Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Estado Islâmico executa oito sunitas no norte do Iraque

Os militantes do Estado Islâmico executaram publicamente oito homens sunitas numa pequena aldeia do norte do Iraque no fim de semana por supostamente conspirar contra o grupo, disse uma testemunha ocular da vila, este domingo (14).

A matança começou na noite da sexta-feira, quando um par de mascarados armados do Estado islâmico assassinaram abertamente um policial na aldeia de al-Jumasah depois que o grupo o acusou de espionar para as forças militares curdas e iraquianas, disse a testemunha.

Os militantes do Estado Islâmico reuniram moradores locais para assistir à execução na aldeia, a cerca de 120 quilómetros ao norte de Tikrit. “Os membros do Estado Islâmico disseram que este é o destino de qualquer um que se oponha a eles”, disse a testemunha. “Eles apresentaram como evidência CDs e cópias de correspondências do homem com as forças de segurança.”

Depois de o policial ter sido executado, um pequeno grupo armado abriu fogo em vingança contra a casa de um funcionário do Estado Islâmico. No sábado de manhã, disse a testemunha, dez carros do Estado Islâmico dirigiram ao redor de al-Jumasah com dois informantes mascarados, que ajudaram os combatentes a identificar dez pessoas que eles suspeitavam de terem atacado a casa do seu partidário na noite anterior.

Naquela noite, três pessoas foram liberadas e outras sete – todas excepto uma parente do policial morto – foram executadas. O Estado Islâmico, que tomou grande parte do norte do Iraque em Junho, controla grande parte das províncias de Salahuddin, Nineveh, Diyala e Anbar, muitas vezes em colaboração com grupos armados menores, e declarou um Califado Islâmico no Iraque e na Síria.

O novo primeiro-ministro, Haider al-Abadi, espera convencer a minoria sunita do Iraque a se rebelar contra o Estado Islâmico, mas muitos continuam profundamente desconfiados da elite xiita governante do país. As esperanças de uma revolta sunita também são complicadas pela crueldade do Estado Islâmico, que tem intimidado, prendido ou matado aqueles que os rejeitam nas comunidades sunitas.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!