Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Escassez de fundos atrasa assistência aos carentes

O atraso que se verifica no desembolso de fundos do erário publico a favor das instituições do Estatais e em particular da Mulher e Acção Social em Nampula, está a reflectir-se negativamente no cumprimento dos programas de assistência social as camadas vulneráveis sobretudo aos idosos, crianças órfãos e mulheres chefes de agregado.

A província de Nampula, assiste no presente ano, um universo de 68.500 beneficiários de subsidio de alimentos, apoio social directo e pelo trabalho, bem como através de programas de desenvolvimento comunitário visando reduzir o seu nível de vulnerabilidade. No ano passado, o universo de beneficiários nas rubricas supracitadas estava estimado em 55.370.

Segundo apuramos, o aumento em 13.130 beneficiários, enquadra-se na estratégia adoptada pelo governo de Nampula, de estender a assistência que vem prestando aos grupos vulneráveis, ao nível de todos os postos administrativos, no total de Quarenta e Oito, menos dez para atingir a meta. Entretanto, o sector da mulher e acção social em Nampula, que a dias recebeu o governador Felismino Tocoli para uma visita que se enquadra na verificação do grau de cumprimento do seu programa social, enfrenta dificuldade em termos de recursos humanos qualificados para desenvolver a actividade especifica de assistência aos grupos vulneráveis, ou seja idosos, crianças órfãs, deficientes físicos entre outros.

Este facto, de acordo com o director da instituição Lourenço Buene, tem influenciando negativamente nos esforços visando a realização de estudos, em particular sobre a origem e algumas formas de vulnerabilidade, trabalho que tem sido recomendado a Universidade Católica de Moçambique, delegação de Nampula, no quadro de um acordo nesse sentido. Em resposta as preocupações levantadas na sua visita, sobretudo em relação aos atrasos no desembolso de fundos a favor da DPMAS entre outras instituições, Felismino Tocoli sossegou afirmando que a situação ficará ultrapassada logo que a Assembleia da Republica que se encontra reunida aprovar o Orçamento Geral do Estado para o corrente ano fiscal.

Em relação a exiguidade de recursos humanos qualificados na área de assistência social, Felismino Tocoli deixou uma recomendação para que o sector faça um programação anual de envio de seus funcionários a formação de nível superior na área especifica de assistência social nas universidades que funcionam em Nampula. O quadro de recursos humanos da DPMAS em Nampula é composto por 229 funcionários dos quais 31 com formação superior e 42 com nível médio nos cursos de historia, geografia, gestão e contabilidade, direito entre outras sem relação com o trabalho que desenvolvem no seu quotidiano.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!