Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Época de chuvas: 35 mortos desde Outubro em Moçambique

As chuvas que se registam em Moçambique desde Outubro do ano passado já causaram a morte de um total de 35 pessoas em todo o país, com a excepção das províncias de Inhambane e Sofala. Deste número, 13 óbitos ocorreram durante este mês de Janeiro, segundo dados anunciados nesta Sexta-feira(18), em Maputo, durante o Conselho Coordenador de Gestão de Calamidades, um evento que foi dirigido pelo Primeiro-Ministro, Alberto Vaquina.

Actualmente, contabilizam-se 25.997 pessoas afectadas pelas chuvas, entre as quais cerca de oito mil crianças que deveriam estar a frequentar as aulas. Segundo a ministra da administração estatal, Carmelita Namachulua, as chuvas afectaram 11.600 pessoas em Manica, Cidade de Maputo (4.342), Província de Maputo (3.835), Nampula (1990) e Zambézia (1914).

“Cumulativamente registamos um total de 35 óbitos desde Outubro do ano passado a esta parte, com mais incidência em Manica e na cidade de Maputo. Na sua maioria, os casos de morte foram por arrastamento, principalmente de crianças, afogamento por travessia de rios, desabamento de casas, 12 pessoas electrocutadas, oito casos por descargas eléctricas e agressão por crocodilos”, disse.

Apesar destes números, o Governo considera que a situação está sob controlo e garante que existe capacidade local para dar resposta adequada e ajudar a retirar as populações das zonas de risco. “A situação poderá ser alarmante se não nos precavermos, mas também é controlável, se continuarmos em prontidão, para que menos gente seja afectada.

Neste momento, todas as instituições do Estado estão em estado de prontidão, os meios já estão alocados nos locais onde se devem posicionar”, referiu. A ministra explica que entretanto existe a necessidade de redobrar os esforços para que os Comités Locais de Gestão de Risco continuem pro-activos. Namachulua aproveitou a oportunidade para advertir as populações residentes nas zonas de risco para se retirarem com a maior brevidade possível para evitar mais morte.

“Apelamos aos pais e encarregados de educação para prestarem mais atenção aos movimentos das crianças nesta época chuvosa para evitar que elas sejam arrastadas pelas águas. O Governo reitera o seu compromisso de trabalhar com a comunidade para minorar o impacto das chuvas na população”, frisou.

Refira-se que o Governo desenhou um plano de contingência que prevê um total de 307.491 pessoas afectadas pelas chuvas. Para mitigar os efeitos das intempéries, o Executivo do presidente Armando Guebuza disponibilizou 120 milhões de meticais que já estão a ser utilizados pelos diversos sectores na distribuição de alimentos, kits básicos, bem como a criação de outras condições como saneamento do meio para a reposição de infra-estruturas, evitar a eclosão de doenças e entre outras medidas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!