Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Enriquecido acervo da biblioteca nacional

A Biblioteca Nacional de Moçambique, localizada em Maputo, capital do pais, recebeu, Terça-feira, cerca de 8.250 livros novos. Trata-se de livros didácticos, paradidácticos, literários e de cultura geral, produzidos por autores nacionais e estrangeiros, disponibilizados no âmbito dos esforços de apetrechamento da Biblioteca após a sua reinauguração oficial.

Destes livros, 7.500 foram oferecidos pela Distribuidora Nacional de Material Escolar (DINAME) e os restantes 748 provêem da Direcção Nacional do Ensino Secundário Geral do Ministério da Educação (MINED).

Durante a cerimónia de entrega do material, o Director da Biblioteca Nacional, Roque Félix, disse que os livros serão distribuídos pelas 10 bibliotecas provinciais e 32 distritais e 11 municipais existentes no país.

“Desta forma, pensamos que estamos a prestar algum apoio material a estes centos dinâmicos de cultura, informação e formação dos docentes e discentes, bem como os cidadãos em geral, como protagonistas na sua participação proactiva na qualidade de ensino no nosso Moçambique”, defendeu.

O director salientou que a oferta constitui uma contribuição fundamental para o alcance da missão da Biblioteca Nacional que é de assegurar a aquisição, conservação, tratamento e disponibilização do património documental produzido em Moçambique, referente e com interesse para Moçambique.

Neste momento, a Biblioteca conta com um acervo de 167 mil materiais, desde livros, jornais, boletins oficiais, revistas e outras publicações.

Estima-se que até Agosto último, o número de leitores que procurou a biblioteca aumentou em 30.869. Entretanto, alguns leitores entrevistados pela AIM durante a cerimónia de entrega de materiais consideraram louvável a iniciativa, visto que a Biblioteca precisa ser apetrechada para melhor servir ao público.

Para os usuários da biblioteca, o maior constrangimento nem é a existência de livros ou outras publicações, mas sim a sua localização, que muitas vezes é deficitária.

Por seu turno, o Director-Geral da DINAME, Assane Sufiane, explicou na ocasião que o objectivo da oferta é incentivar os moçambicanos, sobretudo os estudantes, à leitura e investigação.

Sufiane frisou que esta oferta surge numa altura em que a DINAME preparase para celebrar o seu 20º aniversário de existência. “Fizemos um investimento e estamos certos que terá retorno compensador para o futuro colectivo porque pretendemos incentivar à leitura e a investigação”, disse.

O representante do Director Nacional do Ensino Secundário Geral, Antonino Grachane, referiu, por seu turno, que o MINE está apostado em melhorar a qualidade de ensino no país e a disponibilização de livros didácticos faz parte dos esforços nesse sentido. Grachane afirmou que os livros didácticos oferecidos são da autoria de professores com vários anos de experiência no ensino.

“Nos acabamos de disponibilizar 748 livros didácticos das diferentes disciplinas do currículo do Ensino Secundário Geral escritos por professores moçambicanos com muita experiência no ensino. O MINED quer melhorar a qualidade de ensino e o livro é o veículo através do qual o aluno enriquece os seus conhecimentos”, disse.

A Biblioteca Nacional foi crida em 1961 e com a proclamação da independência em 1975 a mesma foi encerrada ao público e reaberto em 1978 com uma nova estrutura.

Esta biblioteca subordina-se ao Ministério da Cultura e, entre outras funções, esta instituição superintende os trabalhos do serviço nacional de bibliotecas, funcionando como instituição normativa, de apoio técnico e metodológico para as bibliotecas públicas.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!