Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Eleições no Uruguai: Mujica e Lacalle disputarão segundo turno

O ex-guerrilheiro José Mujica, candidato da coligacão de esquerda no poder, a Frente Ampla, ganhou o primeiro turno da eleição presidencial no Uruguai com 47% a 49% dos votos, mas terá de disputar um segundo turno contra o liberal Luis Lacalle no dia 29 de novembro, segundo pesquisas divulgadas pela TV.

De acordo com estas pesquisas, Mujica não obteve os 50% dos votos necessários para evitar a realização de um segundo turno. O ex-presidente Lacalle, candidato do Partido Nacional (PN), reuniu 28% a 31% dos votos. A batalha do segundo turno pode complicar-se se o outro candidato de centro-direita, Pedro Bordaberry, do Partido Colorado (PC), decidir apoiar Lacalle.

Segundo as pesquisas, Bordaberry obteve entre 17% e 18% dos votos. O PN e o PC já se aliaram várias vezes no passado para derrotar a Frente Ampla, que chegou ao poder pela primeira vez em 2004. Mais de 2,5 milhões de eleitores foram convocados às urnas neste domingo para designar o sucessor de Tabaré Vázquez, o primeiro presidente de esquerda da história do Uruguai, que não podia se candidatar novamente.

Os resultados definitivos do pleito serão divulgados segunda-feira pela manhã, informou a Corte Eleitoral à AFP. Em sua primeira entrevista coletiva após a votação, Mujica disse que a sociedade “exige a realização de um segundo turno”. “A sociedade exige que façamos mais um esforço, que participemos de um segundo turno”, disse Mujica ao lado de seu companheiro de chapa, o ex-ministro da Economia Danilo Astori. “Estou muito feliz (com a realização deste segundo turno) porque sou um homem de luta. Desde que estou na política, nunca ninguém nos deu nada de presente”, ainda afirmou o ex-guerrilheiro.

Sobre a composição do Parlamento, os institutos de pesquisa anteciparam que a Frente Ampla pode ficar em minoria na Câmara baixa. No Senado, haveria um resultado de igualdade com a oposição. Além disso, a Lei de Caducidade, que evitou processos por violações aos direitos humanos durante a ditadura militar no Uruguai (1973-1985), será mantida, segundo duas pesquisas de boca-de-urna realizadas pouco depois do referendo deste domingo.

Entre 47,7% e 48,3% dos eleitores votaram “sim” à proposta de reforma constitucional destinada a suprimir a Lei de Caducidade, que impediu durante muito tempo o julgamento de militares e policiais culpados de violações dos direitos humanos entre 1973 e 1985. Eram necessários pelo menos 50% dos votos para revogar a lei. “Podemos afirmar com quase 100% de certeza que a Lei de Caducidade será mantida”, declarou Oscar Bottinelli, do instituto de pesquisas Factum, à rede de televisão Canal 4, afirmando que o “sim” obteve 47,7% dos votos.

Segundo Ignacio Suazbanar, do instituto de pesquisas Equipos Mori, 48,3% dos eleitores votaram “sim” à proposta de anular a Lei de Caducidade. De acordo com os partidários do “sim”, a anulação devia permitir a reabertura de todos os processos arquivados por causa desta lei aprovada em 1986, que obriga os juízes a consultar o Executivo antes de processar membros das forças da ordem.

Somente dez policiais e militares foram condenados por crimes perpetrados durante a ditadura, que deixou 231 desaparecidos no Uruguai e no exterior, segundo a Comissão da Paz, criada pela presidência em 2000. Assim como os resultados da eleição presidencial, os resultados oficiais do plebiscito serão conhecidos segunda-feira pela manhã, destacou a Corte Eleitoral à AFP.

Em mais um revés para a coalizão de esquerda no poder, o outro projeto submetido a referendo neste domingo, sobre o direito de voto dos uruguaios que vivem no exterior, também foi rejeitado pelos eleitores.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!