Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Eleições locais nos EUA: teste para Obama e os republicanos

Eleições locais para governadores, legisladores e prefeitos em várias regiões dos Estados Unidos revelarão na terça-feira o estado da opinião pública após um ano de governo Barack Obama. Nova Jersey e Virgínia elegem governador; Nova York e Atlanta, prefeito; uma circunscrição do norte do estado de Nova York seu representante no Congresso; e o Maine decide por referendo se rejeita ou não o casamento homossexual.

Em 2010, um terço do Senado, toda a Câmara de Representantes e mais de dois terços dos cargos de governador voltarão a ser colocados em jogo nas urnas durante as eleições da metade do mandato, cruciais para o governo de Barack Obama. A jornada eleitoral de terça-feira, na qual predominam os temas locais como a segunda reeleição do prefeito de Nova York Michael Bloomberg, também representam um barômetro político geral no final deste ano.

Os democratas observarão atentamente o desempenho de seus candidatos Jon Corzine e Creigh Deeds, em Nova Jersey e na Virgínia respectivamente. O governador Corzine, activamente apoiado por Obama, está em uma disputa acirrada, segundo as pesquisas, com o republicano Chris Christie, que ameaça a fortaleza democrata de Nova Jersey (leste).

Mais ao sul, Creigh Deeds enfrenta na Virgínia o republicano Bob McDonnel, que, segundo as pesquisas tem grandes chances de vencer, a ponto de Obama ter enviado uma carta neste final de semana a mais de 300.000 eleitores. No norte do estado de Nova York, o que está em jogo vai além de uma vaga no Congresso. Para os republicanos, esta eleição é um teste para definir se devem apostar em uma estratégia conservadora ou mais moderada.

O democrata favorito Bill Owens enfrenta um “outsider” do Partido Conservador, Douglas Hoffman, apoiado pela ala direita dos republicanos. Segundo uma pesquisa da rede de notícias CNN, apenas 36% dos norte-americanos têm actualmente uma imagem favorável dos republicanos. Mas a popularidade de Obama, segundo uma sondagem do instituto Gallup da semana passada, caiu de 62% para 51% entre seu segundo e terceiro trimestre na Casa Branca.

Os republicanos poderão capitalizar eleitoralmente a crise economica, o desemprego e o atoleiro da guerra no Afeganistão e, por isso, os democratas estarão mais atentos ao que acontecer em Nova Jersey e na Virgínia.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!