Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Elefantes abatidos no canavial de Xinavane

Moçambique perdeu 9.700 elefantes em cinco anos e “ninguém” foi punido devido a este crime...

Na manhã de 11 de Novembro em curso, o canavial da açucareira Tongaat Hulett, no posto administrativo de Xinavane, na província de Maputo, foi visitado, inesperadamente, por quatro elefantes – presume-se que seja um casal e duas crias – aparentemente inofensivos. Não se sabe por que carga de água, mas alguém promoveu uma campanha desenfreada para o abate impiedoso dos referidos paquidermes.

@Verdade apurou que o marfim foi entregue aos Serviços Distritais das Actividades Económicas de Magude, mas não se sabe o aconteceu com a carne dos elefantes.

O autor do abate, cujo nome não nos foi revelado supostamente porque o processo está a seguir os trâmites legais na Procuradoria Provincial de Maputo, foi também identificado.

Contudo, segundo informações avançadas à nossa Reportagem, os elefantes foram chacinados por um grupo de agentes do Departamento de Fauna Bravia, com o envolvimento de gente afecta à açucareira Tongaat Hulett e um indivíduo identificado pelo nome de António Gilberto Goulap e o seu filho Vando Michel Goulap.

Consta, nos dados a que tivemos acesso, que o pai deste jovem é um ex-funcionário daquela empresa e a sua família tem sido parceira das autoridades locais na actividade de caça. Aliás, Vando Goulap já participou noutros abates de paquidermes e deixou-se fotografar abraçado a um elefante já imobilizado e aparentemente morto.

O suposto caçador deixou-se também “retratar” num momento em que simulava um gesto de afinar a pontaria com recurso a uma espingarda preparada para o abate.

O que aconteceu em Xinavane não é necessariamente caça furtiva, mas, sim, um acto inescrupuloso contra a vida de animais, pois a partir do momento em que foram vistos a deambularem no canavial bastava informar as autoridades a fim de recolhê-los para o Parque Nacional do Limpopo, na província de Gaza.

Suspeita-se que os animais ora abatidos vieram do Parque Nacional Kruger, na África do Sul, que forma o Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo com o Parque Nacional Gonarezhou, no Zimbabwe.

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!