Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ADVERTISEMENT

Duas décadas depois Indústria extractiva em Moçambique “parece mais uma maldição”

Duas décadas depois Indústria extractiva em Moçambique “parece mais uma maldição”

Cerca de duas décadas após a Sasol, Rio Tinto, Vale, Jindal, Kenmare, Montepuez Ruby Mining e outras multinacionais começarem a explorar os recursos que a natureza abençoou o nosso país o impacto da indústria extrativa na vida dos moçambicanos “não parece uma bênção neste momento, parece mais uma maldição” constatou o economista António Cruz durante a Conferencia de Desenvolvimento Inclusivo em Moçambique onde o director adjunto da UNU Wider reiterou a importância da diversificação da economia, em detrimento do conteúdo local na indústria do gás, pois dos biliões investidos por estes megaprojectos contribuem pouco para Produto Interno Bruto(PIB) e ainda menos em postos de trabalho para os nacionais.

O economista chefe e director adjunto do Instituto para Pesquisa sobre Desenvolvimento Económico da Universidade das Nação Unidas(UNU-WIDER), Tony Addison, apresentou no passado dia 27 de Novembro em Maputo tudo aquilo que deveria ter sido evitado por Moçambique para que a exploração dos recursos naturais que a natureza nos abençoou não seja a maldição que se vive em Moatize, Namanhumbir, Moma, Pande ou num dos muitos distritos que convivem com as multinacionais do sector.

Porém, e com quase 20 anos de experiência em conviver com a indústria extrativa, os políticos moçambicanos continuam repetir os mesmos erros.

Tony Addison recomendou na sua apresentação que: “porque existe uma longa distância entre o anúncio de descobertas de hidrocarbonetos ou minerais e a altura em que as receitas começam a ser geradas, pode demorar um década ou mais, não é uma boa altura para endividamento público mesmo que seja em projectos considerados bons se ainda existirem necessidades na Educação nem mesmo insuflar as expectativas sobre as receitas para que o sector público-privado não comece a endividar-se e conduza a uma situação de sobre endividamento, é também preciso ser muito transparente no que se está a contratar em termos de endividamento”.

Foto de Adérito CaldeiraRelativamente as expectativas que os governantes alimentam que com a exploração do gás natural a vida de todos os moçambicanos irá melhorar graças as receitas fiscais, aos negócios que as Pequenas e Médias Empresas poderão fazer e aos postos de trabalho que serão criados o economista chefe da UNU-WIDER revelou que a experiência de outras partes do mundo, e que Moçambique tem destas últimas duas décadas, é que os biliões de dólares de Investimento Directo Estrangeiro que vão entrar para financiar cada um dos projectos da Bacia do Rovuma somente 3 a 20 por cento habitualmente resultam para o dinheiro para o erário, “a contribuição para o Produto Interno Bruto fica entre 3 a 10 por cento, e a contribuição para o emprego fica-se por apenas 1 a 2 por cento”.

“A situação de Moçambique é muito comum, a maioria dos países não tem nenhuma experiência até descobrirem grandes reservas de petróleo e gás”

Todavia o professor Tony Addison explicou que esses resultados podem ser melhorados através de políticas eficazes na diversificada a economia que possibilitem que suprir as necessidades indirectas da industria do gás e petróleo.

O economista lembrou que “a Nigéria destruiu o seu sector agrário quando tornou-se exportador de petróleo nos anos 70, teve uma crise cambial e acabou por tornar-se grande importador de comida, em vez de a produzir internamente, o que é um perigo quando surge uma crise cambial e a economia não está suficientemente diversificada, porque um câmbio alto joga contra a exportação de produtos manufacturados”.

Tony Addison partilhou ainda a experiência do Gana, “O vice-presidente Mahamudo Bawumia conta que quando descobriram as reservas de petróleo foram a Nigéria perguntar o que não deveriam fazer, mas eles acabaram por fazer e hoje está a tentar sair também de uma situação de alto endividamento público”.

Questionado pelo @Verdade sobre o que pode ainda ser feito para Moçambique ainda tentar evitar o seu destino “amaldiçoado” director adjunto do Instituto para Pesquisa sobre Desenvolvimento Económico da Universidade das Nação Unidas disse que: “A situação de Moçambique é muito comum, a maioria dos países não tem nenhuma experiência até descobrirem grandes reservas de petróleo e gás, basicamente tem de aprender do início”.

“Hoje o índice de Gini é de 0,47, ou seja a desigualdade ficou pior” em Moçambique

“Eu estava em Moçambique no término da guerra, em 1993 e 1994 e trabalhei com o Governo na primeira estratégia de luta contra a pobreza que foi apresentada aos doadores em Paris, um dos aspectos que enfatizamos foi a necessidade de investir em todas as regiões do país para que possam convergir em termos de crescimento, que ainda está para acontecer”, recordou Tony Addison salientando que “pelo menos o que acontece em Moçambique não foi o mesmo que se passou em Angola, que regressou a guerra”.

O economista chefe da UNU-WIDER recomendou: “Uma das políticas que deve ser priorizada é uma boa gestão fiscal, por causa da situação da dívida pública, espero que em cinco anos as receitas do gás comecem a vir”.

Foto de Adérito CaldeiraComentando a explanação de Tony Addison, as perspectivas sobre o gás natural apresentadas por Henrik Poulsen e o que não está a ser feito em termos de diversificação da economia e conteúdo local na óptica de Evelyn Dietsche, o economista António Cruz constatou: “Em termos de desigualdade Moçambique em 1996/97 tinha 0,41, era elevado mas não muito elevado, hoje o índice de Gini é de 0,47, ou seja a desigualdade ficou pior. Nas cidades é de 0,55, ainda mais desigual”.

“Como percentagem do PIB a indústria extractiva era 0,6 por cento em 2003, em 2015 foi de 5,5 por cento, é impressionante. A taxa de crescimento do PIB foi em média 7,8 por cento de 93 a 2015, é impressionante, é uma das mais alta do mundo. Em 2015 6,6 (por cento), em 2016 3,8 (por cento), em 2017 3,7 (por cento). Em termos de níveis de pobreza o que está a acontecer nos últimos anos, em termos de conflitos violentos o que está a acontecer? Isto não parece uma bênção neste momento, parece mais uma maldição”, concluiu António Cruz.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!