Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dois estudantes detidos por burla em Nampula

Dois jovens que respondem pelos nomes de César de Nascimento, finalista do curso de Agronomia, e Jeremias Machasse, cursante de Gestão e Contabilidade, de 29 e 24 anos de idade, estão a contas com a Polícia da República de Moçambique (PRM) na cidade de Nampula, desde terça-feira (20), acusados de burla e falsas qualidades.

Os visados são naturais da província do Niassa mas residem no bairro de Carrupeia, arredores daquela urbe. O @Verdade apurou que, nas suas trafulhices, eles se faziam passar por funcionários do tribunal e foram surpreendidos pelos agentes da Polícia à paisana a tentar extorquir sete mil meticais a um indivíduo identificado pelo nome Tito dos Santos Manuel, alegadamente para facilitar a soltura de quatro criminosos.

O @Verdade sabe, também, que os cidadãos que seriam libertos respondem pelos nomes de Elias Augusto, Julião Américo, Elias Janfar e Mário João, encarcerados na Penitenciária Industrial de Nampula, em 2012, por tentativa de assassinato de um motociclista, algures no distrito de Nampula.

César de Nascimento e Jeremias Machasse teriam solicitado 45 mil meticais para a restituição à liberdade dos referidos indivíduos condenados a uma pena de 16 anos de prisão maior.

Em declarações à Imprensa, nesta quinta-feira (22), Jeremias Machasse confirmou o seu envolvimento no caso e disse que é pela segunda vez que entrava no esquema, supostamente por sugestão do seu tio identificado pelo nome Ezequiel Jonas, em lugar incerto, que trabalhou no Tribunal Judicial Provincial de Nampula.

“Da primeira vez recebi 10 mil meticais e os contactos (das pessoas burladas) foram efectuados directamente por ele (o tio)”. Tito Manuel, o ofendido, explicou que conheceu César de Nascimento e Jeremias Machasse por intermédio de um individuo que estava indignado com o sofrimento a que a sua família estava votada devido à prisão de um parente.

A PRM em Nampula, através do seu porta-voz, Miguel Bartolomeu, disse que prosseguem investigações para o esclarecimento do caso.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!