Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dirigentes de basquetebol em Nampula preocupados com a falsificação de idades

A problemática de falsificação de idades no desporto moçambicano está a estender-se para o basquetebol na província de Nampula, Norte do pais, e os gestores desta modalidade manifestam-se apreensivos em relação ao fenómeno.

Carlos Tomo, coordenador do Ntsay, uma escola de basquetebol aqui em Nampula, apontou que a agremiação que está a trabalhar no sentido de resgatar a modalidade nesta região do país, embora a associação provincial que a superintende não esteja, na sua opinião, estruturada, o que contribui para a existência de atletas com idades falsas.

Entretanto, está em curso uma negociação com os serviços províncias de Identificação Civil para a emissão de Bilhetede Identidade (BI’s) para os atletas sem este documento, sobretudo os que militam nos escalões de formação.

“A Associação Provincial de Basquetebol de Nampula carece de uma organização interna e ainda não tem um departamento técnico que se ocupe da verificação das idades dos atletas de diferentes escalões”, disse Tomo, para quem alguns campeões não são, às vezes, justos vencedores das provas devido à diferença falsificação de idades.

Exemplificou que no campeonato da época passada foram detectados quatro casos relacionados o problema em alusão. De certa forma deviam ter sido encaminhados ao Tribunal porque “os envolvidos até mudaram de nome e alegaram que eram quatros anos mais novos de do que as suas idades reais.

Descobrimos isso na conservatória do distrito de Nampula-Rapale e os mesmos jogam nos escalões de juvenis. Fizeram isso sob orientação dos seus treinadores”, contou Tomo.

De acordo com o coordenador do Ntsay, no ano passado, com apoio da Universidade Católica de Moçambique, através da Faculdade de Educação e Comunicação, perto de 200 crianças tiveram, gratuitamente, BI’s no âmbito do combate à falsificação de idades.

Prevê-se que esse trabalho se repita este ano para os atletas que estejam a enfrentar dificuldades financeiras.

Refira-se que o Ntsay, que para a época 2013 abriu as suas portas na semana passada, movimenta cerca de quinhentos jovens nos escalões de iniciados, juvenis, juniores e mini-basquete nos escalões de formação. O seu trabalho está a expandir-se para Niassa, Chimoio e Zambézia.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!