Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Director da Escola “Sansão Mutemba” acusado de má gestão

O corpo docente e funcionários da Escola Secundária Mateus Sansão Mutemba, na cidade da Beira, acusam o director da mesma de estar a promover uma má gestão daquele estabelecimento de ensino público.

Numa carta enviada à redacção do jornal O Autarca, os docentes e funcionários em geral da “Mutemba” referem que o director usa de forma indevida o orçamento de funcionamento da escola, denunciando que recentemente retirou ilegalmente dos cofres da instituição certo valor para compra de seiscentos sacos de cimento destinados a sua obra.

Esta prática, segundo acusam, o director promove com a conivência da chefe da secretária da escola, também denunciada de apoderar-se de forma ilegal de fundos do estado.

O director da escola é acusado ainda de promover ambiente de servelismo e amiguismo na instituição, sendo que os professores e funcionários que não vão de acordo com as suas práticas ilegais são imediatamente transferidos para escolas de nível inferior.

A carta refere que o director usa capa do partido Frelimo e acusa os professores que não alinham com a sua gestão duvidosa de membros da oposição. “Basta alguém discordar com as suas práticas o director acusa-o logo de membro da oposição. Pensamos que essa atitude do director não é correcta sobretudo num estado de direito democrático”.

Na opinião dos docentes e funcionários da “Mutemba”, o director daquele estabelecimento de ensino público está a promover uma prática que desfavorece o próprio partido Frelimo, anotando que estes procedimentos desanimadores e discrimintarórios podem influenciar os professores e funcionários a abandonarem o partido governamental e filiarem-se num outro partido da oposição.

Chefe da secretaria acusada de usar esquemas para facilitar sobrefacturação

A chefe da secretária da mesma escola acusada de actuar em conivência com o director, é denunciada na carta enviada à nossa Redacção de promover esquemas ilícitas que facilitam a sobrefacturação para benefício próprio.

A carta refere que o processo de procurment ela sempre faz sozinha, retirando a transparência necessária e facilitando para negociar sobrefacturação junto as entidades fornecedoras.

Deram exemplo da aquisição recente de material informático constituído por oito computadores e uma máquina fotocopiadora, além de mobiliário para o gabinete do director, sem que tivesse sido lançado algum concurso público como recomendam os procedimentos sobre aquisição e contratação de bens e serviços para o Estado.

A carta refere que na sequência desses esquemas a chefe da secretária em tão pouco tempo conseguiu comprar uma mini-bus da marca toyota hiace.

Computador some da escola sem explicação

Na sua carta, os professores e funcionários em geral da “Mutemba” exigem igualmente as autoridades de direito para investigarem o sumiço de um computador da instituição sem nenhuma explicação.

Para encobrir ou procurar dar a entender que o computador foi roubado, a direcção da escola está injustamente a penalizar três guardas, os quais além do salário que recebem ser miséro tem agora de suportar um desconto de seiscentos meticais por um período de 24 meses.

Venda de vagas

A chefe da secretária e o director da escola são igualmente acusados de promover venda de vagas, negócio que chega a render valores chorudos.

Na carta enviada à nossa Redacção, os professores e funcionários da escola referem no início deste ano haviam sido reservadas algumas vagas para os funcionários eventuais, mas a última da hora os mesmos foram obrigados a pagar cada um uma importância correspondente a mil e quinhentos meticais para se beneficiarem das mesmas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!