Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dinamarca, Espanha e Noruega injectam USD 11.3 milhões para a implementação do e-SISTAFE

O Governo da República de Moçambique e os parceiros de desenvolvimento assinaram, esta segunda-feira (30), em Maputo, um acordo de financiamento ao Fundo Comum de Apoio ao Programa e-SISTAFE 2013-2014, no valor de 11.3 milhões de dólares norte-americanos desembolsados pela Dinamarca, Espanha e Noruega. O montante faz parte da 4ª fase do programa em alusão.

O acordo estabelece os termos e procedimentos que visam regular a concessão e a utilização de recursos de apoio financeiro ao plano em apreço com vista a conferir maior credibilidade na execução do Orçamento do Estado, maior eficiência na cobrança e gestão de receitas internas das instituições e melhoria na prestação de contas, bem como a entrega atempada dos relatórios ao Governo, ao Parlamento e a outros intervenientes no processo de Administração Pública.

Segundo o ministro das Finanças, Manuel Chang, os parceiros de cooperação internacional tem prestado o seu apoio financeiro desde a primeira fase do e-SISTAFE, em 2002, para a concretização das políticas económicas e de outros planos em marcha no país. Desses parceiros, o governante destacou os reinos da Dinamarca, da Noruega e a República da Itália.

O financiamento será utilizado na realização atempada e com a qualidade das acções identificadas no âmbito da materializaçâo da visão das Finanças Públicas 2011-2025, visando alcançar os objectivos traçados com maior credibilidade na execução do Orçamento do Estado, assim como o alinhamento com os planos nacionais, dentre outros.

Para o embaixador da Dinamarca, Mogens Pedersen, uma boa gestão financeira da coisa pública tem de ter como base um bom sistema informático, sobretudo as instituições de suporte, de controlo e de auditoria. Paralelamente aos avanços que se registam em muitas destas áreas em Moçambique, os desafios a enfentar são ainda maiores.

O interlocutor referiu ainda que em alguns casos tem se notado uma gestão duvidosa na instituição suprema de auditoria, como é o caso do que foi recentemente reportado em relação no Tribunal Administrativo. A gestão tem que viver de acordo com as regras que prega. E espera-se que se tomem medidas necessárias para a recuperação da integridade do Tribunal Administrativo e assegurar a plena confiança nesta instituição primordial para uma boa gestão das finanças públicas em Mocambique.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!