Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Dhlakama recebido as escuras em Quelimane

Até parece mentira quando algumas coisas são contadas ou vem escritas na comunicação social. Uma autêntica vergonha. Terça-feira, o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, foi recebido na cidade de Quelimane às escuras.

Como se sabia que o líder da Renamo chegaria a cidade de Quelimane onde orienta, a partir desta quarta-feira, a Conferência nacional das Ligas da Juventude e da mulher, viu-se uma cidade agitada.

Por um lado, os membros da “perdiz” procuravam organizar-se para receberem o seu líder, assim, também a Polícia da República de Moçambique, sobretudo a Força de Intervenção Rápida (FIR), fez-se a rua empunhada de armas e outro material de uso corrente para fazer o que ninguém sabe.

Até aqui era de menos, como não havia incidente, então cada um procurava mostrar a musculatura que ostenta. Cantos e gritos de alegria nas sedes do partido Renamo e do outro lado, era a polícia que não se cansava de gastar os poucos recursos que tem.

Por volta das 15horas, por sinal, período em que se previa que o líder da Renamo estivesse a entrar na cidade de Quelimane, seus membros, simpatizantes e até a imprensa (interessada), fez-se ao jardim da Sagrada Família, local onde estiveram concentradas as pessoas a espera do líder do maior partido da oposição em Moçambique.

O dia foi se “queimando” e a noite já vinha. E veio mesmo. As luzes artificiais, estas, da “nossa” Cahora Bassa, acenderam. Incrível que pareça é que naquele local onde os membros e simpatizantes da Renamo esperavam o seu líder não acenderam luzes nenhumas.

Quer dizer, para os leitores que conhecem a cidade de Quelimane, importa explicar que não houve iluminação pública da empresa Electricidade de Moçambique (EDM), desde a 2ª Esquadra até a extinta empresa da MECANAGRO.

Tudo ficou as escuras, o movimento naquela rua reduziu e os membros da Renamo amainaram os ânimos, arrumaram os batuques e prontos…

Mas mesmo assim, já que também o líder não chegava na hora marcada os nervos iam subindo nos simpatizantes e os mosquitos também aproveitando-se desta falta de iluminação pública foram tomando conta dos presentes. Foram longas horas de espera, finalmente ouvia-se dizer que o líder da Renamo estava entrando na cidade.

Ai sim, mesmo sem energia, os batuques voltaram a soar e as vozes das pessoas voltaram a serem ouvidas. Quando chegou ao local, de facto, Afonso Dhlakama foi recebido as escuras, porque até a nossa retirada não houve iluminação pública, pelo menos aos nossos olhos.

Indignação das pessoas

Não sabendo de facto o porquê do corte de energia só naquela zona, muitas pessoas que por ali passavam questionavam se era obra de alguém ou avaria técnica.

A resposta não vinha, porque nem sequer a equipa do Piquete da empresa EDM não se fez presente (até a hora em que o Diário da Zambézia saiu do local).

As más-línguas já avançam com especulações. Dizem estas pessoas que os que desligaram a iluminação pública naquele local especificamente tiveram medo de ver o líder da Renamo a ser recebido pela multidão.

Dizem ainda que esta situação não é nova, das vezes que o líder da Renamo chega a cidade de Quelimane, se não é luz, então não consegue espaço para realizar seus encontros, incluindo até comícios populares.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!