Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Desacordo marca mais uma ronda do diálogo entre o Governo e a Renamo

Terminou sem entendimento, esta segunda-feira (07), mais uma ronda do diálogo político entre as delegações da Renamo e do Governo moçambicano. As partes, depois de um aparente avanço rumo ao consenso, na semana passada, voltaram a descordar quanto à reinserção dos homens do partido da oposição nas Forças de Defesa e Segurança (FDS) e à sua desmilitarização.

O chefe da delegação governamental, José Pacheco, disse, no fim da 63ª ronda de diálogo político, que a Renamo pretende continuar um partido de homens armados, facto que torna “difícil acomodar os observadores internacionais”, pois estes mesmos que se façam presentes na mesa do diálogo ficarão sem missão a cumprir.

José Pacheco entende que os observadores internacionais, concluído a sua missão, devem deixar o país em paz e sem partidos políticos armados. “Nós pretendemos que a desmilitarização da Renamo seja parte integrante dos termos de referência para os observadores internacionais. Se este pilar ficar concluído, estão criadas as condições para os observadores internacionais (virem a Moçambique trabalhar no assunto)”, disse, acrescentando que em todos outros pontos já há consensos.

Pacheco frisou ainda que a Renamo “ficou de reflectir” no interesse que há de se parar com os ataques e permitir que os seus homens tenham oportunidade de se inserir nas instituições do Estado, nas FDS e nas actividades económicas.

O governante garantiu que nenhum país observador já foi contactado para monitorar a cessação das hostilidades, desmilitarização da Renamo e sua integração nas FDS, assegurando que não há espaço para nenhum país se pronunciar sobre o assunto.

Por sua vez, o chefe da delegação da Renamo, Saimone Macuiane, reiterou a vontade de continuar a dialogar com o Governo, apesar de este não se mostrar flexível para preparar um encontro ao mais alto nível entre Afonso Dhlakama e o Presidente Armando Guebuza. É preciso que as delegações criem condições para que esse encontro se efective”.

“O nosso trabalho vai culminar com o encontro ao mais alto nível, a ser preparado dentro da nossa agenda, tem que haver também aspectos consensualizados na mesa de diálogo”, disse Macuiane.

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!