Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Deputados da AR querem ajudar a mitigar o conflito homem/animal no PNL

A Comissão de Agricultura, Desenvolvimento Rural, Actividades Económicas e Serviços na Assembleia da Republica (AR), o parlamento moçambicano, reuniu-se, terçafeira última, com a direcção do Parque Nacional do Limpopo (PNL) na perspectiva de entender as causas dos confiltos entre o Homem e a fauna bravia bravia que ocorrem dentro daquela área de conservação, localizada a nordeste da província de Gaza, Sul de Moçambique.

O relator da comissão e chefe da delegação, Luís Goveia, explicou que o encontro tinha em vista conhecer as verdadeiras causas dos conflitos que ocorrem no PNL para junto do governo procurar soluções visando fazer face a situação que está já a atingir contornos alarmantes. “Nos temos informação, através da imprensa e dos eleitores, de que o conflito entre as pessoas e a fauna bravia está já a atingir, não apenas, as pessoas que vivem dentro do parque, mas também as que estão em redor desta área de conservação”, referiu Goveia, acrescentando que a AR quer a argumentação dos técnicos ligados a fauna bravia sobre o que estará a influenciar o aparecimento do conflito.

Entretanto o Administrador do PNL, Baldeu Chande, disse, sem indicar números, que este problema é causado pelo aumento da população de animais naquela área de conservação e a necessidade de estes seguirem as suas rotas tradicionais a procura da alimentação. Neste momento, o que as autoridades têm feito é o abate dos animais problemáticos para reduzir os acidentes, disse Chande, explicando que a medida não é definitiva e viável para uma área de conservação que se pretende. O ideal é separar o espaço da vida animal com o do homem. Com o programa de retirada das pessoas do interior do parque e consequente reassentamento nas aldeias fora deste, poderá reduzir a disputa do espaço entre o homem e a fauna bravia. Também está a ser projectada uma linha de vedação de cerca de 60 quilómetros de extensão ao longo do rio Limpopo para separar o parque e a zona tampão onde as pessoas vão ser reassentadas, disse a fonte, ajuntando que se trata de uma zona rica para as actividades agro-pecuária e pesqueira, consideradas básicas naquelas comunidades.

Em resposta a pergunta dos deputados sobre a fase em que está o processo de reassentamento, o Administrador do PNL disse haver alguns atrasos devido ao desembolso tardio dos fundos por parte do doador. Chande disse que está a trabalhar, neste momento, com a direcção máxima do Ministério da Turismo para que o PNL tenha uma dotação orçamental de cerca de 460 milhões de meticais para a construção das casas para o reassentamento de mais de seis mil pessoas, o que permitirá que os fundos financiados pelo Banco Alemão para o Desenvolvimento (KFW) possam ser usados para as actividades de compensação.

Para além da dotação do orçamento, segundo ele, pretende-se envolver outras instituições do estado que tenha experiências nesta matéria, nomeadamente: os Ministérios da Administração Estatal, da Acção Ambiental, da Agricultura, de Plano e Desenvolvimento entre outras, como forma de tornar o processo mais célere. A uma outra pergunta sobre a caça furtiva, Chande disse haver ainda alguns casos, mas não alarmantes na medida em que não prejudicam o desenvolvimento normal da fauna bravia. Mesmo assim, acrescentou, há um trabalho em curso no sentido de estancar, de uma vez por todas, este mal.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!