Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Depois da seca e chuva, ciclone vai fustigar Inhambane e Gaza

Depois da seca e chuva

Foto cedida pelo Instituto de Estudos Sociais e EconómicosAs províncias de Inhambane e Gaza, que vinham sofrendo o impacto da seca severa e têm sido particularmente afectadas pela época chuvosa, vão ser fustigadas a partir desta quarta-feira(15) por um ciclone tropical denominado Dineo originará chuva forte que deverá fazer transbordar as bacias de Inharrime, Mutamba, Inhanombe, Govuro e Limpopo e ainda inundar algumas cidades e vilas. É também esperado vento forte que poderá aumentar o números de casas, escolas e unidades sanitárias danificas.

O Dineo, ciclone intenso de categoria 4, deverá fustigar os distritos de Morrumbene, Jangamo, Inharrime, Panda, Homoíne, Vilankulo, Maxixe, Massinga, Zavala e cidade de Inhambane(na província de Inhambane); e os distritos de Mandlakazi, Xai-xai, Chibuto, Guijá, Massingir e Mabalane(na província de Gaza), a partir da manhã desta quarta-feira(15), com ventos forte de até 200 km/h e chuvas intensas, de mais de 100 milímetros em 24 horas.

Face às previsões meteorológicas a direcção nacional de gestão dos recursos hídricos “prevê-se que as bacias de Inharrime, Mutamba, Inhanombe, Govuro e Limpopo registem subida de níveis hidrométricos, podendo condicionar a transitabilidade de algumas rodovias: Estrada Lindela a Cidade de Inhambane, na bacia do Mutamba; Mubalo a Macavane e Litlanga a Chinginguire, na baica do Inhanombe”.

“Igualmente prevê-se, inundações localizadas nas Cidades/Vilas de Inhambane, Maxixe, Massinga, Vilankulo, Inhassoro, Inharrime, Nova Mambone e Machanga, por acumulação de águas pluviais”, informa o boletim hidrológico nacional desta terça-feira(14).

Estas províncias do Sul de Moçambique debatem-se com a seca que dura há mais de dois anos e registaram dezenas de milhares de cidadãos que foram directamente afectados pelas chuvas, habituais durante a época chuvosa que dura até Março.

De acordo com o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades(INGC), em Inhambane tinham sido afectados 4.450 cidadãos e em Gaza as chuvas deixaram em situação de emergência 26.308 pessoas. Até a semana finda o INGC havia contabilizado 160 casas danificadas em Inhambane e 6.875 em Gaza, mais de 3 mil habitações ficaram parcialmente danificadas.

O Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, apesar de estar a funcionar com somente 20% do orçamento que precisa, está em prontidão para fazer face ao impacto deste ciclone, mais uma calamidade natural que regularmente fustiga o nosso País, e recomenda aos cidadãos nos distritos mais afectados para manterem a calma e a saírem das vias públicas durante o ciclone, manterem-se informados sobre as notícias e instruções que sejam veiculadas, mas em simultâneo desligar todos aparelhos electrónicos, incluindo telefones celulares.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!