Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Criminosos mostram o seu vigor perante o silêncio do novo Comandante Geral da PRM, do ministro do Interior e até do mais alto magistrado de Moçambique

Criminosos mostram o seu vigor perante o silêncio do novo Comandante Geral da PRM

Foto da Presidência da RepúblicaOs criminosos voltaram a mostrar, com os assassinatos na cidade da Beira e na cidade da Matola, que continuam vigorosos e organizados. A resposta das autoridades, Comandante Geral da Polícia, ministro do Interior e até o mesmo o Presidente da República, sempre céleres quando se tratam de membros dos partidos da oposição ou activistas da sociedade civil, é o silêncio.

Todas as semanas os porta-vozes dos várias comandos provinciais da Polícia da República de Moçambique (PRM) divulgam os resultados positivos da sua operacionalidade e destacam centenas de casos criminais registados e tramitados.

Porém há mais de uma década que se aguardam os resultados das investigações dessas mesmas autoridades relativamente aos assassinatos dos cidadãos António Siba-Siba Macuácua, Dinis Silica, Vicente Ramaya, Paulo Estevão Daniel, Inlamo Ahamada Ali Mussa, Gilles Cistac, Paulo Machava, José Manuel, Marcelino Vilanculo entre outros cidadãos que ficaram no anonimato.

“Neste momento a Polícia continua diligenciando para encontrar os autores deste crime, para a posterior responsabilização”, disse Daniel Macuacua, porta-voz da PRM de Sofala, relativamente ao assassinato do membro sénior do partido Renamo e membro do Conselho Nacional de Defesa e Segurança do Estado.

Já o porta-voz do Comando-Geral da polícia, Inácio Dina, sobre a execução do procurador Marcelino Vilanculo, afirmou que “a polícia reitera o seu engajamento de tudo fazer para esclarecer este crime à semelhança de outros”.

O ministro do Interior, Basílio Monteiro, que recentemente destacou-se pela célere ordem de deportação de uma activista da sociedade civil, não se pronunciou ainda sobre nenhum destes dois crimes violentos.

Também em silêncio está o recém empossado Comandante Geral da PRM, Júlio Jane, que foi desafiado pelo Chefe de Estado a colocar a corporação “mais vigorosa na prevenção e combate ao crime e na consolidação o da paz”.

Inclusive o Presidente Filipe Nyusi não comentou ainda o violento assassinato de um membro do Conselho Nacional de Defesa e Segurança do Estado.

Nyusi, que também é o mais alto magistrado na República de Moçambique, está também mudo sobre a morte do magistrado da Procuradoria da Cidade de Maputo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!