Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Criada Zona Económica Especial de Ute para dinamizar economia da mais pobre Província de Moçambique

Criada Zona Económica Especial de Ute para dinamizar economia da mais pobre Província de Moçambique

O Governo formalizou a Zona Económica Especial (ZEE) de Ute onde serão implantados um Porto seco e criado de um parque industrial para o processamento da matéria-prima agrícola e florestal no âmbito da dinamização da mais pobre Província de Moçambique.

Localizada nas proximidades da capital da Província do Niassa, atravessada pela linha férrea que liga a Cidade de Lichinga ao Porto de Nacala e pela estrada N14 que permite chegar ao Porto de Pemba vai nascer na povoação de Ute, no Distrito de Chimbunila, uma nova Zona Económica Especial que se propõe a atrair investimentos directos nacionais e estrangeiros para desenvolver rapidamente a mais pobre região do nosso país.

Pobre em desenvolvimento económico mas rica em terras férteis para prática de agricultura e desenvolvimento florestal é expectativa do Governo que a ZEE de Ute sirva de “plataforma logística de movimentação, armazenamento de mercadorias de e para destinos diversos, e na criação de um parque industrial, como alicerce para o processamento da matéria-prima agrícola e florestal e, fornecimento de produtos acabados para a cadeia logística viabilizando assim o porto seco, com uma área de 681 hectares”, explicou ao @Verdade a Agência Para a Promoção de Investimento e Exportações (APIEX).

De acordo com a APIEX serão edificados na nova Zona Económica Especial, formalizada através do Decreto nº 11/2019, de 27 de Fevereiro, uma central fotovoltáica com capacidade de 30MegaWatts, uma central elétrica que use biomassa, um sistema de abastecimento de água, um terminal de contentores e de camiões, acompanhado de serviços de empacotamento e desempacotamento de mercadorias e está também prevista a asfaltagem da estrada Ute-Ntoto.

Estas infra-estruturas permitirão, segundo a APIEX, a implantação de uma fábrica de processamento de madeira e seus derivados (produção de papel e outros), uma outra unidade de produção e processamento de frutas (maçã, uva, morango, litchia, kiwi, pera e manga), um indústria de produção e processamento de sementes melhoradas, uma unidade de produção e processamento de cereais (Girassol, Soja e Amendoim), e ainda uma fábrica de refinação de óleo ( Trigo, Milho e arroz).

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!