Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

CPLP: Presidência moçambicana herda crise guineense e aposta na erradicação da fome

Na cimeira da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), que se realiza em Maputo, sob o lema “A CPLP e os desafios na Segurança Alimentar e Nutrição”, Moçambique vai assumir a presidência rotativa da organização dos oito países lusófonos. A segurança alimentar e a normalização da situação política na Guiné-Bissau são dois dos sete pontos fortes que Moçambique destacará durante a sua presidência.

Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, Oldemiro Balói, a segurança alimentar “é um tema transversal, que faz o alinhamento com a Estratégia de Segurança Alimentar e Nutricional da CPLP aprovada em 2011”.

Ao apostar neste tema, pretende-se “contribuir para a erradicação da fome e pobreza na comunidade, através do reforço da coordenação entre os estados-membros e da melhor gestão das políticas e programas sectoriais de segurança alimentar e nutricional”, disse Oldemiro Balói.

“Tendo em vista o alcance dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, até 2015, precisamos de concentrar os nossos esforços neste domínio”, justificou.

Desde 2008, a segurança alimentar e nutricional tem mobilizado a atenção política dos estados-membros da CPLP, que já adoptaram uma resolução sobre o tema, realizaram dois simpósios e organizaram um diálogo Brasil-África.

“Não obstante estas iniciativas, prevalecem os problemas da desnutrição aguda no espaço da CPLP, afectando aproximadamente 28 milhões de pessoas”, advertiu, no entanto, o chefe da diplomacia moçambicana.

Durante a presidência rotativa da organização, Moçambique pretende também consolidar a democracia nos estados-membros da CPLP, nomeadamente na Guiné-Bissau, cujo impasse político prevalece desde o golpe de Estado de 12 de Abril que impôs um governo não reconhecido pela comunidade lusófona.

A análise do processo de adesão da Guiné-Equatorial a membro pleno direito da comunidade, o crescente número de países que solicitam o estatuto de observadores e associados, bem como a projecção da língua portuguesa no mundo, também serão pontos relevantes da presidência moçambicana da CPLP, que sucede a Angola.

A liderança moçambicana da CPLP será marcada igualmente pelo reforço da coordenação entre os estados nas áreas da educação e saúde, ambiente, justiça e defesa género e juventude.

Criada em 1996 a CPLP integra oito países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste. A Guiné-Equatorial, Maurícias e Senegal são observadores associados da organização.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!