Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Coreia do Norte desafia o mundo e anuncia novo teste nuclear

Coreia do Norte desafia o mundo e anuncia novo teste nuclear

A Coreia do Norte executou um teste nuclear nesta segunda-feira, que segundo Tóquio pode ter sido até quatro vezes superior ao realizado em 2006, provocando um repúdio internacional e a convocação para a tarde de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU em Nova York.

“A República Democrática e Popular da Coreia (RDPC) realizou com êxito um novo teste nuclear subterrânero em 25 de maio, como parte das medidas destinadas a reforçar suas capacidades de dissuasão nuclear”, afirma uma nota da agência oficial do regime KCNA. Pyongyang também lançou nesta segunda-feira três mísseis de curto alcance.

A agência sul-coreana Yonhap informou que a Coreia do Norte disparou três mísseis terra-ar com alcance de 131 km no sul do país. O ministério russo da Defesa confirmou que a Coreia do Norte realizou um potente teste subterrâneo, a 10 km de profundidade. “Em 25 de maio às 04H54 minutos e 41 segundos, os serviços de controle especiais do ministério da Defesa registraram na Coreia do Norte uma explosão subterrânea de potência entre 10 e 20 quilotons”, declarou o porta-voz do ministério, Alexander Drobichevski. E

m 2006, o ministério russo da Defesa calculou a potência do primeiro teste nuclear norte-coreano entre 5 e 15 quilotons. A Agência Meteorológica Japonesa anunciou que o teste nuclear foi quatro vezes mais potente que o primeiro teste de 2006. “A atividade sísmica detectada hoje foi de de 5,3 graus, enquanto a do teste nuclear anterior alcançou 4,9 graus”, disse Yasuo Sekita, diretor da agência.

“O impacto de um tremor se multiplica a cada 0,2 grau de magnitude. Isto quer dizer que o nível de energia do teste nuclear desta segunda-feira foi quatro vezes superior ao do teste anterior”, completou. A Comissão Preparatória da Organização para a Proibição de Testes Nucleares (CTBTO) informou que o teste desta segunda-feira aconteceu a menos de dois quilômetros do local em que o país executou o primeiro teste nuclear em outubro de 2006.

Segundo instrumentos de detecção da Comissão, o tremor aconteceu às 0H54 GMT (21H54 de Brasília, domingo), apesar da CTBTO não ter conseguido estabelecer oficialmente a natureza nuclear ou não do tremor registrado. Baek Seung Joo, especialista do Instituto de Análise de Defesa Coreano de Seul, afirmou à AFP que “a potência desta explosão é comparável a das bombas que caíram sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945”.

A notícia do novo teste atômico norte-coreano provocou uma reação de repúdio imediata da comunidade internacional. O presidente americano Barack Obama condenou o que considerou “uma ameaça para a paz” e pediu uma “ação da comunidade internacional”. “Estas ações, que não são uma surpresa dadas as declarações e as ações até este momento, são um tema grave que envolve todas as nações”, afirmou Obama em um comunicado divulgado pela presidência.”As tentativas norte-coreanas de desenvolver armas nucleares, assim como seu programa de mísseis balísticos, constituem uma ameaça para a paz e a segurança internacional”, completa a nota.

Moscou advertiu Pyongyang que a ação representa uma escalada no nordeste da Ásia e ameaça a segurança da região. A China, que manteve silêncio por várias horas, condenou o teste norte-coreano e pediu a Pyongyang que “interrompa qualquer ação que possa inflamar a situação”. O porta-voz do governo japonês, Takeo Kawamura, considerou o teste “absolutamente inaceitável”, enquanto o primeiro-ministro Taro Aso convocou uma reunião de emergência do gabinete.

“O Japão adotará ações severas”, completou Kawamura. Em Seul, o governo da Coreia do Sul afirmou que o teste constitui uma grave ameaça para a paza regional e para a estabilidade da península da Coreia e o nordeste da Ásia, além de um grande desafio ao regime internacional de não proligeração.

Na Dinamarca, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, se declarou “profundamente preocupado” e afirmou que acompanha a situação de perto, antes da reunião de emergência do Conselho de Segurança convocada para esta tarde em Nova York a pedido do Japão. O chefe da diplomacia europeia, Javier Solana, considerou o teste um “ato irresponsável”, que merece uma resposta firme da comunidade internacional”.

Também reagiram contra o teste nuclear norte-coreano Grã-Bretanha, França, Suécia, Noruega, Itália e Índia. Estados Unidos, China, Japão, Rússia e Coreia do Sul iniciaram em 2003 negociações com a Coreia do Norte para tentar persuadir o regime comunista de Pyongyang a abandonar o programa nuclear, em troca de uma ajuda no setor energético.

Em 2007 as partes assinaram um acordo, segundo o qual Pyongyang desmantelaria as instalações nucleares, mas o mesmo nunca foi concretizado. Atualmente as conversações estão bloqueadas, suspensas por Pyongyang.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!