Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

CIP lança campanha de monitoria da falta de medicamentos nos hospitais moçambicanos

Através de um “mbip” (please call me), de um telefonema grátis para o número 82 3343, um SMS ou uma mensagem no WhatsApp para 860 656 128, os cidadãos podem denunciar casos relacionados com a falta de medicamentos que acontecem em diferentes partes do território moçambicano.

Para o efeito, o Centro de Integridade Pública (CIP) lançou esta quinta-feira (10) uma plataforma denominada Utente Repórter com vista a dar voz aos utentes do Serviço Nacional de Saúde na reivindicação do seu direito de acesso a medicamentos.

Segundo o CIP, cidadão que se dirigir a um hospital púbico e não tiver acesso a medicamentos ou tenha conhecimentos de uma situação idêntica que se passou com o seu amigo, vizinho ou familiar pode enviar um SMS, um “please cal me“, um mensagem no WhatsApp ou efectuar uma chamada telefónica para os números acima referidos. Para o CIP, Moçambique tem estado a testemunhar, nos últimos anos, roturas constantes de medicamentos essenciais e de tratamento de HIV e de Tuberculose.

“Esta situação tem sido reportada pela imprensa nas várias regiões do país assim como pelas organizações da sociedade civil. A falta de medicamentos põe em perigo de vida a milhares de pacientes e utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), com particular realce para mulheres gravidas, recém-nascidos e Pacientes de HIV e TB.”

Falta de medicamentos é uma situação em que a demanda ou exigência para um item não pode ser satisfeita a partir do inventário actual/existente. “Quando uma farmácia (consultório medico ou unidade de saúde) não tem temporariamente nenhum remédio na prateleira, é conhecido como uma falta de stock de medicamentos e pode afectar um medicamento ou muitos medicamentos, ou na pior das hipóteses, todos os medicamentos.

As consequências da falta de medicamentos para os pacientes são graves: “Eles têm de viajar para outros serviços de saúde ou para o sector privado, que pode ser muito distante e muitas vezes muito mais caro; podem regressar as suas casas sem os medicamentos de que necessitam; eles podem ter uma alternativa adequada ou não a medicina e perdem a confiança na unidade de saúde para atender às suas necessidades”.

A iniciativa do CIP chama-se “PARE COM A FALTA DE MEDICAMENTOS” e pretende defender disponibilidade efectiva de medicamentos essenciais nos hospitais do Sistema Nacional de Saúde (SNS), bem como denunciar, influenciar e pressionar o Governo para que tenha medicamentos essenciais disponíveis em todas as unidades públicas de saúde, reforçar a transparência na gestão dos medicamentos, prover uma linha dedicada do orçamento para medicamentos essenciais, e pressionar para que o Executivo cumpra com o seu compromisso de gastar 15 porcento do orçamento nacional em cuidados de saúde.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!