Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Cidadão morre em circunstâncias por esclarecer em Marracuene

Os populares do bairro de Zintava, no distrito de Marracuene, província de Maputo, acordaram agitados, na passada sexta-feira (26), por conta da morte de um cidadão de 41 anos de idade, identificado pelo nome de Joaquim Mário, após ingerir maheu – uma bebida fermentada, de fabrico caseiro, feita com base em farinha de milho, açúcar e água – supostamente envenenado por uma vizinha e amiga

Matilde Muchanga, mulher do malogrado, narrou que por voltas das 22h00, depois do jantar, uma senhora, que é amiga da família, chamou o seu marido, por via de uma mensagem telefónica, para lhe oferecer Maheu. Joaquim não se fez de rogado e saiu para a tal casa com uma jarra.

Volvidos alguns instantes, disse a viúva, o marido regressou com o produto, deixou a jarra sobre a mesa e manifestou bastante vontade de consumir maheu mas receava por momentos antes tinha se desentendido com a visada. A mulher afirma ter advertido o companheiro para que não tomasse porque ninguém sabia quais eram as intenções da vizinha ao oferecê-lo a bebida.

Joaquim não quis ouvir os conselhos da esposa e usou o mesmo copo com qual bebeu água durante o jantar, para tomar maheu. Passados alguns minutos, ele começou a manifestar um comportamento estranho, disse que estava com tonturas, não respirava devidamente e pediu para ficar nas escadas que dão acesso ao interior da sua casa, contou a viúva.

Matilde contou ainda que se posicionou nas costas do marido e quando se apercebeu de que a situação estava a piorar saiu em busca do socorro do pessoal da igreja e dos vizinhos. No regresso, o marido espumava pela boca e não resistiu às dores de cabeça e barriga de que se queixa.

Entretanto, os vizinhos asseguraram que o malogrado a senhora que ofereceu maheu mantinham uma relação saudável. As estruturas do bairro alegaram que Joaquim não gozava plenamente das suas faculdades mentais e optaram por não tecer quaisquer comentários em torno do alegado envenenamento.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!