Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Chókwè: uma cidade atípica

Chókwè: uma cidade atípica

Para uma cidade fortemente devastada pelas cheias que assolaram o país no ano 2000, Chókwè parece ter dado passos importantes rumo à sua reconstrução. Hoje, dez anos depois, quem para lá vai pela primeira vez dificilmente pode notar que a cidade já sofreu a fúria da “mãe natureza” e que eram remotas as possibilidades de a mesma se reerguer.

No seu centro, mesmo no terminal rodoviário, o mercado local é sinal do quanto a cidade está a prosperar. O local pode equiparar-se aos grandes mercados da cidade de Maputo, não pela sua extensão, mas sim pela diversidade dos bens que ali são vendidos.

São produtos alimentares, de beleza, material de construção, material eléctrico, electrodomésticos, vestuário, utensílios domésticos, entre outros, daí os seus residentes não precisarem de se deslocar aos mercados vizinhos ou da capital para os adquirir.

Ademais, nem dos preços eles se queixam. “Os preços são acessíveis. Não há necessidade de recorrer a outros mercados porque o nosso tem de tudo um pouco”.

Um dado curioso é que, se na cidade de Maputo ter acesso à televisão via satélite é sinal de posse ou riqueza, na cidade de Chókwè é o contrário. Pode- -se dizer que em cada dez casas (incluindo as de construção precária), quatro têm acesso à televisão via satélite (Dstv).

Os receptores são adquiridos na vizinha África do Sul e nos revendedores, ao preço de 2.500,00 (dois mil e quinhentos meticais), ao passo que as antenas parabólicas, que custam em média 1.500,00 meticais, podem ser compradas no mercado local.

Mas há um porém. Eles só têm acesso a canais sul-africanos, swazis, zimbabweanos e de outros países da SADC. Desengane-se quem pensa que eles assim o fazem por mero capricho. É que dos canais nacionais, apenas a TVM emite o seu sinal para o distrito de Chókwè.

Problemas de transporte

Em relação aos transportes, os meios mais usados são a bicicleta e a motorizada. As bicicletas são, normalmente, usadas por mulheres de todas as idades, diga-se, para as actividades do dia-a-dia, tais como ir ao mercado, à escola, à machamba ou mesmo para visitar familiares.

O recurso a este meio deve-se à falta de transporte urbano. Os transportadores apostam nos percursos inter-distrital, inter-provincial e transfronteiriço, pois, na sua opinião, são mais rentáveis. Esta situação constitui uma das preocupações dos residentes daquela urbe, que são obrigados a percorrer grandes distâncias a pé. Os principais prejudicados são estudantes do curso nocturno, grupo exposto às acções dos malfeitores, embora Chókwè seja uma cidade tranquila.

Já os homens preferem as motorizadas ou os carros. Aliás, Chókwè pode ser classificado como um dos locais com maior concentração de viaturas, adquiridas, na sua maioria, na África do Sul, Swazilândia e Zimbabwe.

Algumas delas são tidas como sendo de luxo e de marcas de referência, tais como Nissan Navara, Audi, BMW, Range Rover, entre outras. Este facto faz com que a cidade seja um dos destinos de viaturas roubadas, principalmente, nas cidades de Maputo e Xai-Xai.

Ainda há vestígios das cheias

Entretanto, tal como em todos os centros urbanos, na cidade Chókwè também existem zonas destinadas à elite. O primeiro e o segundo bairros são habitados por dirigentes (administrador do Distrito, presidente do Município, directores …) e pessoas pertencentes às classes alta e média.

Os restantes bairros (3º, 4º, 5º, 6º e 7º) são tidos como subúrbios. Lá, as marcas das cheias ainda existem. Os sinais mais visíveis são rachas nas paredes, e de água que nalguns casos chegam à altura das janelas. Sempre que chove, os proprietários receiam que ocorram novas cheias porque o distrito está localizado numa zona baixa.

O sector da construção ganha novo ímpeto nesta cidade, apesar de o preço do cimento (280,00 meticais) estar acima do praticado na capital do país, que varia entre os 250 e 260 meticais. Apesar disso, as pessoas não deixam de construir. Em cada esquina da cidade há (sempre) uma casa, uma fábrica, um armazém ou uma loja a ser erguida. Os preços dos outros materiais são normais.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!