Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

China vai enviar unidade militar de elite para ajudar a combater Ébola na Libéria

A China enviará uma unidade de elite do Exército Popular de Libertação para ajudar a Libéria a combater o Ébola, anunciou o Ministério das Relações Exteriores chinês, esta sexta-feira (31), respondendo a um apelo da ONU por um maior esforço global contra o vírus na África Ocidental.

Os Estados Unidos têm liderado a resposta internacional para tentar impedir a propagação da doença, que já matou cerca de 5.000 pessoas, enviando milhares de soldados e comprometendo cerca de 1 bilhão de dólares, enquanto a China tem recebido críticas por não ter feito o suficiente.

O esquadrão do Exército, que tem experiência no enfrentamento a doenças devido a um surto da Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars) em 2002, vai construir um centro de tratamento de 100 leitos na Libéria, a primeira instalação desse tipo nos três países mais afectados pelo Ébola a ser construída e gerida por um país estrangeiro, disse Lin Songtian, director-geral do Departamento de Assuntos Africanos do ministério.

O centro médico será aberto para operação no espaço de um mês, disse ele a jornalistas em Pequim. A China também irá enviar 480 profissionais de saúde do Exército para tratar pacientes do Ébola, acrescentou.

Essa é a primeira vez que a China envia uma unidade inteira de forças de prevenção de epidemias e equipe de saúde militar ao exterior, disse Lin. A China é o maior parceiro comercial da África, tirando proveito dos recursos naturais do continente para sustentar o seu próprio crescimento económico ao longo das duas últimas décadas.

Alguns críticos atacaram Pequim por não ajudar na hora da necessidade na África. “A assistência da China não vai parar até que a epidemia do Ébola seja erradicada na África Ocidental”, disse Lin.

A Libéria, a Serra Leoa e a Guiné Conacri são os países mais atingidos pelo pior surto do Ébola já registado, concentrando a maior parte das mais de 5.000 mortes em decorrência do vírus.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!