Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Catar rejeita relatório sobre abuso “desenfreado” de trabalhadores

O governo do Catar rejeitou um relatório da Amnistia Internacional segundo o qual o abuso de trabalhadores imigrantes na nação do Golfo Pérsico continua “desenfreado” cinco anos depois de ela conquistar a sede do Campeonato do Mundo de futebol de 2022.

Um comunicado do Escritório de Comunicação do Governo do Catar enviado a jornalistas no final da terça-feira afirmou que o relatório da Amnistia “não reflecte precisamente o progresso” que o Catar realizou na reforma de seu regime trabalhista.

“Sentimos que a acusação de que o Catar não conseguiu aprimorar os direitos humanos de seus trabalhadores convidados é simplesmente inverídica. Reformas significativas foram feitas e mais estão a caminho.”

O Catar, um dos países mais ricos do mundo, vem sendo amplamente criticado pelo tratamento dos trabalhadores imigrantes, especialmente na construção civil.

O estudo da Amnistia, divulgado na terça-feira, afirmou que o “kafala”, sistema de contratação patrocinado pelo governo do Catar, ainda exige que a mão de obra estrangeira peça o consentimento de seus empregadores para mudar de emprego ou deixar o país, o que os deixa à mercê de seus contratantes.

A declaração governamental negou que os trabalhadores estejam sendo explorados e disse que o Catar fez reformas, como um sistema de protecção salarial que obriga as empresas a pagar seus assalariados por meio de transferências bancárias electrónicas e uma lei que torna ilegal para as companhias confiscar os passaportes de seus empregados.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!