Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

SELO: Carta ao Director do HCM Dr. João Fumane

Exmo Sr. Director do Hospital Central de Maputo Dr. João Manuel de Carvalho Fumane

Temos estado a assistir nas últimas semanas uma instauração massiva de Processos Disciplinares contra os funcionários que aderiram a Greve dos Profissionais de Saúde que decorreu no período de 20 de Maio à 15 de Junho do corrente ano alegando faltas injustificadas. Esta instauração está a ser levada a cabo por uma “brilhante” equipe de instrutores e pela “eficiente” equipe de Recursos Humanos do nosso Hospital.

A equipe de instrutores é tão brilhante que para além de não seguir todos os passos recomendados pelo EGFAE e REGFAE, chegando até ao ponto de entregar uma nota de culpa antes do notificado prestar declarações, nem se dignam a ler a nota de defesa dos acusados, atribuindo a todos a mesma pena: Multa Graduada! Notável também é a eficiência da equipe dos recursos humanos em conseguir encerrar em tempo recorde estes processos disciplinares… No entanto, é lamentável que tal eficiência não se verifique nos procedimentos que beneficiam os funcionários da Saúde tais como nomeações, progressões, promoções, entre outros…

Não percebemos qual a finalidade destes processos disciplinares que para além de acarretarem um gasto adicional em consumíveis (papéis, pastas de arquivo, tonner, etc) atrapalham as actividades clínicas dos acusados e dos próprios instrutores e escrivãos com o tempo despendido nesse processo!

Com tantos problemas que tem o nosso Hospital, perguntamo-nos porquê não envidar todos os nossos esforços para tentar solucioná-los ao em vez de tentar “tapar o sol com a peneira”?

Porquê não tentar acabar com os ratos (isso mesmo, ratos) que abundam pelas enfermarias, pelos armazéns e refeitórios, chegando não só a colocar em risco a vida do pessoal de saúde e dos pacientes mas também a aumentar o dinheiro despendido em reparações do equipamento eléctrico/informático e imagiológico (TAC, Ressonância Magnética)?

Porquê não resolver os problemas da canalização e a falta de vidros nas janelas dos diversos sectores do nosso Hospital?

Porquê não apetrechar o Hospital com medicamentos básicos e material médico-cirúrgico para o seu normal funcionamento?

Na nossa humilde opinião, os nossos esforços deveriam ser canalizados para a resolução destes e de tantos outros problemas que o Hospital e não para a instauração de processos disciplinares desnecessários com despachos infundados a não ser claro, que espera-se arrecadar uma boa receita com as penas atribuídas (multas graduadas) e usa-la para a resolução desses problemas.

Por um excelente Hospital e uma boa prestação de cuidados de saúde, apelamos que ponha a sua mão na consciência.

 

Um grupo de Profissionais de Saúde interessado em fazer do Hospital Central de Maputo um Hospital de qualidade

Maputo, aos 19 de Agosto de 2013

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!