Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Captura de peixe baixa em Sofala

Sofala capturou no ano passado 21 mil toneladas de pescado diverso, quantidade que representa um decréscimo na ordem de sete toneladas, uma vez que o sector das pescas na província tinha previsto uma quantidade equivalente a 28 mil toneladas.

A informação foi dada esta terça-feira ao jornal Diário de Moçambique pelo porta-voz da 8ª sessão ordinária do Governo provincial, José Ferreira, que, sobre o assunto, deu a conhecer que a pesca artesanal foi o sector que mais contribuiu ao atingir cerca de 16 mil toneladas. A seguir foi a pesca industrial, com quatro mil toneladas. A semi-industrial conseguiu apenas mil toneladas e a aquacultura situou-se abaixo das mil toneladas.

José Ferreira afirmou que alguns factores por detrás da redução da produção pesqueira têm a ver com o ambiente marinho e equipamento ligado ao sector da pesca industrial e semi-industrial. Em Fevereiro do corrente ano, o Instituto de Investigação Pesqueira veio a público dizer que, por exemplo, a Hilsa Kelee, peixe também conhecido pelos nomes de marora e magumba, está em vias de desaparecimento devido à pesca nociva. Esta situação poderá também estar ligada ao descréscimo da produção pesqueira.

O porta-voz da 8ª sessão ordinária do Governo de Sofala falou igualmente em torno das exportações do pescado, afirmando que, de um plano de quatro mil toneladas, Sofala ultrapassou a meta ao colocar no mercado externo cinco mil toneladas, incluindo o camarão.

Na mesma ocasião, José Ferreira fez menção da edificação de infra-estruturas pesqueiras, dando a conhecer que as obras de construção do entresposto no Porto de Pesca, que incluem a montagem de equipamento de frio, encontram-se concluídas. “Teve também início o trabalho de dragagem para a retirada de embarcações afundadas no Porto de Pesca” — disse a fonte. Entretanto, na mesma ocasião, o porta-voz da 8ª sessão ordinária do Governo provincial afirmou que a reunião apreciou as actividades inseridas no programa GERENA (Gestão dos Recursos Naturais) da Direcção Provincial dos Recursos Minerais e Energia.

José Ferreira referiu que, na verdade, o programa engloba duas etapas, tendo sido desenvolvida a primeira entre 2006 e 2010, enquanto a segunda se inicia no corrente ano. Em relação ao primeiro programa, a fonte referenciou que teve um financiamento de 180 milhões de coroas dinamarquesas e abrangeu todo o país. Em Sofala, o mesmo tinha como objectivo a promoção do desenvolvimento sustentável das áreas urbanas, costeiras, conservação e de criação de melhores condições ambientais para as comunidades. “Para a província de Sofala, este programa consistiu na delimitação das fronteiras de 250 quilómetros do Parque Nacional de Gorongosa e a implantação de pouco mais de 30 marcos” — indicou José Ferreira.

Em relação à segunda parte do programa GERENA, a fonte do Governo da província afirmou que o mesmo terá início no segundo semestre do corrente ano, prevendo-se consumir em todo o país cerca de 255 milhões de coroas dinamarquesas, com o objectivo de promoção de um ambiente saudável. “Está em curso a definição das instituições que deverão beneficiar deste fundo, para além de estar a ser definido o valor que será destinado à província de Sofala e para os distritos que beneficiarão do projecto. Em princípio, Marromeu e Chemba estarão integrados no conjunto dos distritos que serão contemplados em Sofala” — disse José Ferreira. Acrescentou que, no âmbito do referido projecto, serão apoiadas as políticas e estratégias nacionais, gestão ambiental no município e implementação de planos conjuntos com outros doadores, para além de ajudar a sociedade civil a promover a prestação de serviços ambientais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!