Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Camponeses de Gúruè ameaçam abandonar cultura de tabaco

Os camponeses do distrito de Gúruè, província central da Zambézia, ameaçam abandonar a produção de tabaco devido ao facto da empresa fomentadora desta cultura de rendimento, a Mozambique Leaf Tobacco, não estar a comprar todo o produto.

Segundo o jornal Notícias, cerca de 3,2 mil camponeses de Lioma, Nicoropale e Tetete produziram grandes quantidades de tabaco na campanha agrícola passada, mas a empresa fomentadora não conseguiu adquirir toda a produção. Os produtores dizem que o seu esforço não está sendo compensado. Eles produziram tabaco em detrimento de outras culturas alimentares, mas não obtiveram os rendimentos que almejavam.

Um dos camponeses lesados é António Soares que, convencido pelas promessas da empresa fomentadora, apostou no cultivo de tabaco, em detrimento de milho e feijões. “A empresa está a dizer que não se responsabiliza. E nós, onde vamos parar com esse tabaco?”, questionou ele. Raul Morais é outro camponês de Gúruè que diz ter 342 fardos de tabaco em casa, cujo destino a dar ainda não desconhece.

No início da campanha, a Mozambique Leaf Tobacco firmou acordos com os produtores, no qual se comprometia a fornecer sementes e insecticidas em forma de créditos, devendo posteriormente serem descontados directamente durante a fase de comercialização. Contudo, a empresa fomentadora falhou honrar o compromisso com os camponeses, o que levou a deterioração de enormes quantidades de tabaco, havendo agora 60 produtores que exigem indemnização pelos danos causados.

Sobre esta situação, o administrador do distrito de Gúruè, Joaquim Pahare, disse que a empresa fomentadora desta cultura foi burlada pelos seus próprios funcionários, que, ao invés de comprar o tabaco dos produtores locais, foram adquirir do distrito de Milange a preços baixos. Segundo o administrador, esta situação aconteceu sem o conhecimento da empresa fomentadora e, na sequência disso, cinco trabalhadores envolvidos nessa burla foram expulsos da empresa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!