Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Boko Haram divulga vídeo de meninas de Chibok e diz que algumas morreram

O grupo jihadista nigeriano Boko Haram divulgou neste domingo um vídeo mostrando um suposto grupo das mais de 200 alunas sequestradas em Chibok em 2014, e afirmando que algumas delas morreram em bombardeamentos do Exército da Nigéria.

Nas imagens, um terrorista com o rosto coberto pede aos responsáveis das jovens, conhecidas como “Meninas de Chibok”, que exijam ao governo da Nigéria a libertação de militantes do Boko Haram em troca da soltura das suas filhas, de acordo com o jornal “Daily Trust”.

No vídeo, de 11 minutos e feito pelos jihadistas através de um jornalista com acesso ao grupo, o terrorista aparece a falar com um numeroso grupo de estudantes usando o véu islâmico ao fundo.

O porta-voz jihadista explica que cerca de 40 sequestradas em abril de 2014 foram dadas em casamento, e garante que algumas morreram ou estão feridas após bombardeamentos feitos na Floresta de Sambisa, uma das fortificações do Boko Haram no norte da Nigéria.

Uma das adolescentes, cujo pai aparece com frequência na imprensa a reivindicar a libertação dela e das amigas, é convidada a falar no vídeo para pedir aos pais que pressionem o Executivo nigeriano para libertar os terroristas.

“Os nossos pais deveriam ser pacientes e dizer ao governo que liberte os seus membros para que eles possam nos libertar”, disse a jovem em língua hausa, enquanto algumas meninas aparecem chorando atrás dela.

O terrorista de rosto coberto volta a aparecer na filmagem e alerta ao governo que se tentarem resgatá-las usando da força, elas não serão recuperadas com vida.

O vídeo foi lançado depois que foram divulgadas informações sobre a possível morte de várias estudantes sequestradas em ataques aéreos militares sobre as posições de Boko Haram em Sambisa. A maior parte das jovens está sequestrada há mais de dois anos, apesar de algumas terem conseguido fugir ou terem sido liberadas nos últimos meses.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!