Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Blair diz que temeu embate com os barões da imprensa britânica

O ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair disse em depoimento a um inquérito sobre as relações da imprensa britânica com os políticos do país que decidiu cortejar os meios de comunicação na Grã-Bretanha em vez de arriscar a ira de poderosos magnatas da mídia durante a sua década no poder.

O depoimento de Blair foi interrompido por um manifestante a gritar slogans contra a guerra e a chamar o ex-líder trabalhista de criminoso de guerra por ter ajudado na invasão do Iraque em 2003.

O homem entrou por trás da tribuna onde Blair e o juiz estavam sentados e gritou: “este homem deveria ser preso por crimes de guerra. O homem é um criminoso de guerra”.

Os funcionários do tribunal levaram o invasor para fora da sala depois de aproximadamente 20 segundos e o presidente do inquérito, Lorde Leveson, pediu uma investigação imediata sobre como ele tinha conseguido interromper o processo.

Blair, o mais poderoso primeiro-ministro britânico desde Margaret Thatcher na década de 1980, disse que mesmo ele não estava disposto a arriscar ofender os grandes grupos de mídia.

“Se és um líder político e tens grupos de mídia muito poderosos e te desentendes com um desses grupos, as consequências são tais que tu… está efectivamente impedido de espalhar a sua mensagem”, disse Blair ao inquérito sob juramento na Corte Real de Justiça, em Londres.

“Eu estou a ser aberto sobre o facto de que, francamente decidi como um líder político, e essa foi uma decisão estratégica, de que eu iria gerí-los e não confrontá-los. E nós podemos discutir sobre se isso era certo ou errado mais para frente, mas essa foi a decisão que tomei”, disse.

A relação de Blair com a imprensa, e Rupert Murdoch em particular, está a ser investigada como parte do inquérito sobre os laços próximos entre políticos, a imprensa e policiais.

Inicialmente, a investigação era apenas sobre um escândalo de grampos telefónicos num tabloide de propriedade de Murdoch.

Blair disse que a estreita relação entre os políticos e os meios de comunicação era inevitável, mas que tornou-se doentia quando os grupos de imprensa tentaram usar os seus jornais como instrumentos de poder político.

O inquérito tem se focado até agora na conduta dos meios de comunicação e nos laços estreitos entre o império de Murdoch e os ministros no poder.

O líder do Partido Trabalhista, Ed Miliband, da oposição, tem usado a polémica para realizar ataques ao actual primeiro-ministro britânico, David Cameron.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!