Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Bilionário Sebastián Piñera assume a presidência do Chile

O empresário miltimilionário Sebastián Piñera, que construiu a carreira política com uma proposta de direita moderada, assume esta quinta-feira a presidência do Chile, quebrando 20 anos de governos de centro-esquerda.

Aos 60 anos, Piñera é dono de várias empresas das quais teve que se desligar ou ceder temporariamente a gestão, ficando com um canal de televisão e um clube de futebol – o Colo Colo – o mais popular do país. Definido por seus aliados como hiperativo, inteligente, hábil e experiente; e, segundo seus detratores, como calculista e indolente, Piñera chega ao cargo pelo qual vinha lutando durante quase duas décadas.

Casado com Cecilia Morel e pai de quatro filhos, pretence a uma família vinculada à Democracia Cristã (DC), um partido que faz parte da “Concertación”, a coalizão de centro-esquerda que governou o Chile por 20 anos. Graduado na Universidade Católica de Santiago e com doutorado em Harvard, trabalhou nos anos 70 no Banco Mundial e na Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

Nos anos 80 introduziu no Chile um sistema de cartões de crédito, o primeiro degrau numa cadeia de negócios que resultou numa das maiores fortunas do país. Quando, em 1992, era senador e se projetava como candidato à presidência, um caso de escuta telefônica divulgada pela televisão acabou com suas possibilidades.

Durante um programa de TV do qual participava como convidado, foi divulgada a gravação de uma conversa dele em que dava instruções por telefone, a um jornalista amigo, para prejudicar as pretensões à candidatura presidencial de sua correligionária Evelyn Matthei. Afastado da política depois desse caso, em 2001 tentou novamente eleger-se senador, mas a ala dura da direita o obrigou a desistir. Seu retorno à cúpula da política deu-se em maio de 2005 quando disputou a indicação pelo partido com o líder da direita Joaquín Lavín, para enfrentar Bachelet na presidencial de 2006.

Piñera derrotou Lavín, integrante de uma direita mais conservadora, tornando-se o referencial de uma direita moderada. Em 2007 foi punido, pela obtenção de informações privilegiadas: não tentou paralisar uma ordem de compra de ações da LAN, sabendo com antecedência de seus resultados financeiros antes do mercado. Piñera não apelou e pagou multa de 700.000 dólares. “Tem uma personalidade difícil, não gostando de demonstrar afeições, optando por um caráter estritamente empresarial, o que o leva a problemas com as pessoas”, comentou para a AFP José Miguel Izquierdo, um de seus amigos mais próximos. “Possui grande capacidade intelectual. Impressiona a rapidez com que apreende a informação e o grande conhecimento que possui dos problemas reais”, acrescenta.

Da campanha anterior vem o apelido de ‘Berlusconi chileno’, em alusão ao primeiro-ministro italiano. Como Berlusconi, é proprietário de um canal de televisão e de uma equipe de futebol. Quando passar a comandar um país de 17 milhões de habitantes, Piñera terá dois desafios importantes: substituir Michelle Bachelet, que deixa a presidência com popularidade de 84%, e liderar a reconstrução do Chile, onde várias regiões foram devastadas por terremoto e tsunami no passado 27 de fevereiro.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!