Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Banco Mundial nunca suspendeu o apoio directo ao Orçamento de Estado de Moçambique

Banco Mundial nunca suspendeu o apoio directo ao Orçamento de Estado de Moçambique

Foto do Banco MundialO Banco Mundial nunca chegou a suspender formalmente o apoio directo ao Orçamento do Estado(OE) de Moçambique na sequência da descoberta dos empréstimos das empresas Proindicus e MAM. Entre Janeiro de 2016 e Março de 2017 esta instituição financeira colocou directamente no erário mais 330 milhões de dólares norte-americanos.

Ao contrário do Fundo Monetário Internacional(FMI) que suspendeu a sua ajuda financeira directa ao OE, após ter descoberto em Abril do ano passado que o Estado moçambicano havia emitido Garantias, violando a Constituição da República, para os empréstimos das empresas Proindicus e Mozambique Asset Management(MAM) no montante de 1,157 bilião de dólares norte-americanos, o Banco Mundial não suspendeu a ajuda financeira directa que faz ao OE.

Embora o The Wall Street Jounal, citando uma fonte não identificada do Banco, tenha noticiado em Abril de 2016 que a instituição financeira de Bretton Woods iria suspender o apoio directo ao Orçamento de Moçambique e que pelo menos 40 milhões de dólares norte-americanos já não seriam canalizados durante o ano findo a verdade é que essa notícia foi desmentida, pouco tempo depois, pelo director do Banco Mundial para Moçambique.

“Quero colocar claramente on the record que este não é o caso (de congelamento). Não houve nenhum pronunciamento sobre isso. Não há nenhuma questão de suspensão ou qualquer tipo de congelamento”, afirmou Mark Lundell à agência noticiosa portuguesa Lusa em Abril de 2016.

“É importante lembrar que Moçambique é um país beneficiário da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) e tem um risco moderado de sobre-endividamento. Qualquer potencial análise em baixa da estabilidade da dívida poderá afetar o montante global dos recursos disponíveis para os próximos anos”, acrescentou Lundell.

E efectivamente o apoio do Banco Mundial ao OE nunca parou. O @Verdade apurou que se até Março do ano passado tinham sido transferidos para o nosso erário 4,1 biliões de meticais (cerca de 83,3 milhões de dólares norte-americanos, ao câmbio oficial da altura de 1 dólar = 49,27 meticais), até 31 de Dezembro de 2016 esse montante cresceu para 14,2 biliões de meticais( cerca de 284,1 milhões de dólares norte-americanos), em donativos, créditos e acordos de retrocessão, como se pode comprovar no relatório de execução do Orçamento do Estado de 2016.

Relatório de execução do Orçamento do Estado de 2016

Já este ano, segundo o relatório de execução do Orçamento do Estado entre Janeiro e Março, o Banco Mundial injectou directamente no Orçamento de Estado mais 3,3 biliões de meticais(cerca de 55,3 milhões de dólares norte-americanos, ao câmbio actual de 1 dólar = 60 meticais) igualmente em donativos, créditos e acordos de retrocessão.

Relatório de execução do Orçamento do Estado de 2017

Governo financia Caixa paralela ao Orçamento do Estado com fundos do Banco Mundial

O comprometimento do Banco Mundial com Moçambique é de tal ordem que ainda antes da Procuradoria-Geral da República ter recebido o relatório final da Auditoria que a Kroll efectuou às empresas Proindicus, EMATUM e MAM o Conselho de Administração da instituição financeira endossou uma nova estratégia para Moçambique, para os anos fiscais de 2017-2021, centrada nos objectivos estabelecidos pelo Governo no seu plano quinquenal, com um financiamento indicativo na ordem de 1,7 bilhão de dólares norte-americanos, dos quais 120 milhões são para serem injectados no Orçamento de Estado ainda durante o Ano Fiscal 2017.

O @Verdade questionou ao escritório do Banco Mundial em Maputo, por correio electrónico, se estes desembolsos para o Orçamento do Estado não são apoio directo. Até ao fecho desta edição nenhuma resposta foi obtida. Tentativa de contactar telefonicamente Mark Lundell redundaram em fracasso.

Entretanto, em contacto telefónico, o director nacional de Coordenação Institucional e Imagem do Ministério da Economia e Finanças, Rogério Nkomo, afirmou que estas transferências do Banco Mundial destinam-se a programas específicos acordados com entre o Governo e a instituição financeira.

Mas o @Verdade comparou os desembolsos do Banco Mundial de 2016 e de 2017 com as transferências de um ano de ajuda financeira normal, como foi 2015, e os montantes são muito similares e distribuídos exactamente pelas mesmas rubricas da execução orçamental, o que deixa evidente que não houve corte algum.

Se é certo que estas injecções do Banco Mundial destinam-se a programas de investimento pré-acordados também é nesta fonte que o Governo vai buscar fundos para manter os seus saldos de Caixa, onde o @Verdade apurou existirem biliões de meticais que são usados à margem do Orçamento do Estado e sem nenhum fiscalização, quer do Tribunal Administrativo ou mesmo da Assembleia da República.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!